Pages

sábado, 30 de janeiro de 2010

Homem é preso por fraude de US$ 115 mil após contato em site de namoro

Um homem de Nova York foi preso pela acusação de persuadir uma mulher a lhe dar mais de US$ 115 mil, depois que eles se encontraram em um site de namoro on-line. A acusação foi feita na quinta-feira (28).

Solomon Jesus Nasser, 57, foi acusado pela promotoria distrital de Westchester ontem, por apropriação indébita, fraude e crimes tributários.

Nasser teria afirmado à vítima que possuía um jato, que liderara tropas dos EUA no Iraque e que havia sido conselheiro do ex-presidente George W. Bush.

Ele também teria alegado que seu dinheiro fora congelado por disputas judiciais e empréstimos solicitados.

A mulher teria dado por volta de US$ 115 mil em dinheiro e em compras de cartão de crédito.

Após a acusação, Nasser foi preso. A defesa não foi encontrada para comentar o assunto.

Sarcófago milenar encontrado no México traz pistas sobre colapso maia

Da France Presse, em Ocosingo (México)

Um sarcófago de pedra de mais de mil anos de idade, que pode trazer luz sobre os motivos do colapso da cultura maia, foi descoberto no sítio arqueológico de Toniná, no estado mexicano de Chiapas (sudeste), informou nesta quinta-feira (28) o arqueólogo Juan Yadeum, que coordena os trabalhos na área.

A tumba, localizada em novembro por trabalhadores do Instituto Nacional de Antropologia e História, que realizavam escavações em Toniná, deve pertencer a um período entre 840 e 900 d.C., indicou Yadeum.

"Trata-se de um sarcófago de pedra que mede dois metros de comprimento por 70 centímetros de largura, com 60 centímetros de profundidade" e uma lápide com as mesmas dimensões, descreveu o arqueólogo.

A descoberta deve revelar novos elementos sobre quem "foram os causadores do declínio [da civilização maia], se foi gente local influenciada por um grupo do Altiplano, ou pessoas vindas desta parte da Mesoamérica ou de Tabasco [sudoeste]", estado vizinho de Chiapas, explicou o especialista.

Fim da civilização

A civilização maia, que ocupou a região entre 2000 a.C. até seu desaparecimento, em 1546, meio século depois da chegada dos conquistadores espanhóis, desenvolveu um avançado calendário, além de grandes cidades (as maiores de seu tempo no mundo) e uma organização política imperial.

Há várias teorias sobre seu ocaso, referentes a um enfraquecimento devido a lutas internas, guerras e rebeliões, assim como um possível abuso dos recursos naturais que debilitou o ecossistema e provocou longas secas e escassez de alimentos.

Este tipo de sarcófago "é único no México antigo, e em certo sentido é parecido com o da 'Rainha Vermelha', descoberto em Palenque em 1994, tanto por seu tamanho como por carecer de inscrições", relatou o instituto de antropologia, em um comunicado.

No interior da tumba, que entre os anos 1490 e 1495 foi alterada por indígenas tzoziles, foi encontrado um vaso, um crânio deformado e fraturado em vários pontos, e ossos longos dispostos em forma de cruz.

Os restos mortais podem pertencer a uma mulher ou uma criança da alta hierarquia, uma vez que os globos oculares são menores, explicou Yadeum. No entanto, isso precisará ser definido com estudos de antropologia física

Físicos usam "visão de Super-Homem" para atravessar material opaco

COLIN BARRAS

da New Scientist

Não é exatamente uma visão de raios-X, mas foi descoberta uma maneira de transmitir imagens simples através de objetos opacos, utilizando luz comum. Físicos usaram o método para projetar uma imagem por vidro coberto de tinta grossa.

Algumas coisas que consideramos opacas --"impossível de ver através delas", de acordo com definição do Novo Dicionário Oxford-- são levemente translúcidas, o que significa que alguma luz de fato consegue passar.

Entretanto, ela fica tão espalhada enquanto colide com o interior atômico dos materiais, que físicos pensavam que estava além do alcance prático conseguir ver o do outro lado do objeto.

Um experimento de 2007 que conseguiu direcionar luz através de cascas de ovo e dentes humanos demonstrou que havia sim possibilidades em cumprir este objetivo, contudo.

Agora, as primeiras imagens simples foram transmitidas através de um objeto opaco e reconstruídas do outro lado, pelo físico Sylvain Gigan e colegas, na École Supérieure de Physique et de Chimie Industrielles, em Paris, França.

Reconstrução
Por engenharia reversa do processo de espalhamento, a equipe foi capaz de reconstruir uma imagem da luz que tinha passado através da camada opaca de tinta.

O espalhamento é complexo, mas também é previsível: a mesma onda de luz sempre vai se espalhar da mesma maneira.

A maneira como um objeto particular espalha luz é conhecida como sua matriz de transmissão. "Se a [camada de tinta] é um labirinto para a luz, então você poderia considerar a matriz de transmissão como o seu mapa", diz Gigan.

Sua equipe calculou a matriz de transmissão para o deslizamento através de seu vidro pintado atingindo-o com um raio laser fraco mais de mil vezes, mudando a forma do raio a cada vez. Para isso, foi utilizado um modulador de luz espacial --o mesmo aparelho usado para controlar a luz emergindo de um projetor de vídeo.

Uma câmera digital no outro lado do vidro detectou os diferentes padrões de espalhamento produzidos a cada vez. Comparando o que a câmera via com o que havia sido feito ao raio laser, a equipe mediu a matriz de transmissão completa da imagem.

Imagem invisível
Se uma simples imagem era então projetada, uma pessoa simplesmente olhando ao vidro pintado pelo outro lado poderia ver somente um brilho uniforme.

Mas a equipe utilizou conhecimentos sobre a matriz de transmissão para decodificar os vestígios fracos e desarrumados que alcançaram a câmera digital e reconstruíram a imagem.

"Uma vez que a matriz é conhecida, reconstruir a imagem é muito rápido", diz Gigan. "Nós podemos alcançar quase uma qualidade de vídeo no foco e produção da imagem."

No entanto, será necessário algum tempo antes que a técnica seja utilizada para transmitir e reconstruir qualquer imagem realmente interessante.

Quadrados
As imagens de teste foram padrões muito simples: uma rede quadriculada retangular de 256 pixels com certos punhados de seus quadrados mais brilhantes.

"A qualidade das imagens degrada rapidamente quando se aumenta o número de pixels, porque a razão sinal-ruído cai", diz Gigan, embora ele diga que haja "espaço para melhoras" com estudos futuros.

Allard Mosk, na Universidade de Twente, em Enschede, Holanda, um dos que direcionaram a luz através de cascas de ovo e dentes em 2007, afirmou estar impressionado.

"Nós podemos ver que, tecnicamente, este trabalho está no começo de uma longa e excitante estrada", afirma ele. "Apesar de, no momento, a técnica estar restrita a simples imagens de 256 pixels, ele acredita que outros grupos pelo mundo agora vão se inspirar a enviar imagens maiores e mais complexas através de objetos opacos.

sexta-feira, 29 de janeiro de 2010

Chinesa confunde ladrão com marido e tenta fazer sexo com invasor


Pensando ser seu marido, mulher se jogou sobre o bandido.
Mas ela notou que o cabelo estava diferente e acendeu as luzes.
Foto: Editoria de Arte/G1

Chinesa confundiu um ladrão com seu marido e tentou fazer sexo com o invasor. (Ilustração: Editoria de Arte/G1)

Uma chinesa confundiu um ladrão com seu marido e tentou fazer sexo com o homem que havia invadido no dia 13 de janeiro sua casa em Changsha, na província de Hunan, segundo reportagem do jornal "China Daily".

A mulher identificada apenas como Qiu disse que levou um susto, quando descobriu que o homem com quem quase manteve relações sexuais era um bandido, e não seu marido.

Qiu disse à polícia que estava dormindo, quando ouviu alguém entrar no seu quarto. Pensando que o ladrão fosse seu marido, a mulher se jogou sobre o homem na tentativa de fazer sexo com ele.

Nesse instante, o invasor a empurrou e começou a abraçá-la. No entanto Qiu percebeu que o cabelo estava muito grande para ser o do seu marido. Ela acendeu as luzes e descobriu que estava com um estranho em sua cama.

Após ouvir os gritos da mulher, o marido de Qiu, que estava na casa de um vizinho, correu para dentro de sua casa e dominou o ladrão.

Homem é preso após ficar nu e simular sexo no telhado nos EUA


Incidente aconteceu na cidade de Santa Ana, na Califórnia.
Suspeito tentou se esconder em um armário para evitar a prisão.
Foto: Divulgação

Charles Edward Meaux Jr. ficou nu no telhado de sua casa e simulou um ato sexual. (Foto: Divulgação)

O norte-americano Charles Edward Meaux Jr., de 36 anos, foi preso na quarta-feira (27) na cidade de Santa Ana, no estado da Califórnia (EUA), acusado de ficar nu no telhado de sua casa enquanto simulava um ato sexual, segundo reportagem do jornal "Orange County Register".

Após a polícia ser avisada, o homem entrou em sua casa, colocou algumas roupas e se escondeu em um armário no andar de cima da residência. Segundo o policial Anthony Bertagna, foi necessário usar uma arma de choque para conseguir prendê-lo, já que ele resistiu à prisão.

De acordo com a polícia, o homem tem uma tatuagem em cima da sobrancelha que está associada a um grupo que defende a supremacia branca. Essa não foi a primeira vez que Meaux foi detido. Em 1995, ele pegou dois anos de cadeia acusado de roubo.

Saiba o que pode compensar mais: banco de horas ou pagamento de horas extras


Empresas podem optar por uma das modalidades.
Especialistas respondem a dúvidas a pedido do G1.


Foto: Reprodução / TV Globo

Compensação do trabalho além da jornada pode ser feita por horas extras ou banco de horas, em que trabalhador tira folga (Foto: Reprodução / TV Globo)

O empregado contratado pelo regime daConsolidação das Leis do Trabalho (CLT), que regulamenta o trabalho com carteira assinada no país, tem direito ao pagamento de hora extra com acréscimo de, no mínimo, 50%, de segunda a sexta-feira, e 100% aos domingos e feriados. No entanto, há empresas que optam pelo chamado banco de horas, em que as horas extras não são pagas em dinheiro, mas em descanso.

As horas extras são devidas toda vez que o empregado trabalha além da sua jornada normal de trabalho, quando trabalha no horário destinado ao intervalo, ou quando não é concedido horário de intervalo devido para descanso, seja durante o próprio dia de trabalho ou entre um dia de trabalho e outro. 

Para saber qual procedimento compensa mais para empregador e empregado, confira abaixo as questões respondidas a pedido do G1 pelos advogados trabalhistas Simone Belfort, professora da Academia Brasileira de Educação, Cultura e Empregabilidade (Abece), e Leandro Antunes, professor da Faculdade da Academia Brasileira de Educação e Cultura (Fabec), e pela juíza do Trabalho do Rio de Janeiro Vólia Bomfim Cassar, autora do livro “Direito do Trabalho” (Editora Impetus).

Como funciona o pagamento de banco de horas? De acordo com os advogados trabalhistas Simone Belfort e Leandro Antunes, o banco de horas é uma forma de compensar as horas trabalhadas a mais, ou seja, o empregado, em vez de receber pelas horas extras realizadas, terá direito a folgar. Dessa forma, nesse sistema não se recebe nada além do salário.

Em que casos compensa mais usar o banco de horas e em que casos as horas extras?De acordo com Leandro Antunes, geralmente o regime de banco de horas acaba compensando mais ao empregador, já o pagamento das horas extras agrada mais ao empregado. É que no regime de compensação de banco de horas, se o empregado fizer 20 horas extras, terá o direito de descansar 20 horas, enquanto que no regime de pagamento, caso o empregado trabalhe as mesmas 20 horas a mais, o empregador terá que pagá-las com um acréscimo de no mínimo 50%. 


  • Aspas
    O banco de horas só é benéfico para o trabalhador quando ele pode programar suas folgas ou sabe com antecedência quando terá de trabalhar horas a mais"
Para a juíza Vólia Bomfim Cassar, o banco de horas aleatório pode ser prejudicial ao trabalhador quando ele é obrigado a fazer horas extras sempre que houver necessidade e sem saber com antecedência quando suas folgas serão concedidas para poder programar sua vida, ficando à mercê da demanda da empresa e do patrão. “Isso traz estresse, cansaço e segrega laços de amizade e familiares. Logo, o banco de horas só é benéfico para o trabalhador quando ele pode programar suas folgas ou sabe com antecedência quando terá de trabalhar horas a mais”, diz.

Em quais categorias é mais comum haver banco de horas? De acordo com Simone Belfort, para as empresas é melhor trabalhar com banco de horas porque não onera a folha de pagamento. Dessa forma, a maioria delas está trabalhando com esse sistema. “Não se trata de uma categoria específica. Muitas empresas passaram a adotar esse sistema, em especial as grandes, bem orientadas e honestas”, diz.

De acordo com a juíza Volia, as categorias que mais usam o sistema são as dos bancários, comerciários e empregados de multinacionais. Leandro Antunes salienta a necessidade de haver previsão em acordo ou convenção coletiva para adoção do sistema.

O empregador pode impor o sistema que achar melhor ou o funcionário tem direito a escolher qual ele prefere?
De acordo com a juíza Vólia, a compensação de horas extras não é imposta pelo patrão e sim ajustada entre empregado e empregador através de acordo escrito ou mediante autorização prevista na convenção coletiva (negociação feita entre o sindicato dos empregados e o sindicato dos empregadores) ou acordo coletivo (feito entre o sindicato dos empregados e a empresa).

Para Leandro, a realização de horas extras em geral depende de acordo prévio entre as partes (empregado e empregador), salvo nos casos de força maior e serviços inadiáveis, em que o empregador pode exigir a realização de horas extras mesmo sem previsão em acordo. “Mas mesmo através de acordo, o empregador nunca pode fazer com que o empregado renuncie a direitos trabalhistas”, salienta.

O contrato de trabalho deve trazer estipulado se o regime será por hora extra ou banco de horas? O contrato de emprego deve estipular carga horária e o que será feito quando o empregado fizer horas a mais, segundo Simone. Para Vólia, o acordo de compensação pode estar previsto no contrato de trabalho. Se não estiver inserido, as partes podem a qualquer momento chegar a um acordo. “Não haverá necessidade do ajuste individual caso a norma coletiva autorize o banco de horas”, informa. Leandro ressalta que no caso de banco de horas há a necessidade de acordo ou convenção coletiva. 

Por até quanto tempo o funcionário pode acumular as folgas a quem tem direito?
De acordo com a advogada Simone, todas as horas feitas a mais ou a menos devem estar zeradas em até um ano a contar da assinatura do contrato, levando em conta que o empregado trabalhou regularmente cada dia até 8 horas no limite máximo de 44 semanais.

“O regime de compensação sob o sistema de banco de horas é simular ao de uma conta corrente, daí o motivo da sua nomenclatura. Isso quer dizer que as horas extras entram como crédito de folgas e as folgas e deduções como débito daquele crédito. Para cada hora extra trabalhada, o patrão terá um ano, no máximo, para compensá-la”, diz Vólia.

Como o funcionário pode controlar o banco de horas? É recomendável ele anotar seus horários? De acordo com Vólia, empresas com mais de 10 empregados são obrigadas a ter as horas extras anotadas ou na forma de cartões de ponto ou controles de horário. Se os dados não forem manipulados nem fraudados pelo empregador, o empregado poderá confiar e não haverá necessidade de anotações paralelas.



  • Aspas
    “Se for uma empresa séria fará um relatório mensal para informar as horas colocadas no banco. Existe ainda o cartão de ponto. Mas, de qualquer forma, o empregado deve não só anotar como guardar qualquer coisa que prove que ele fez as horas a mais"
“Todavia, a experiência tem demonstrado que muitas empresas não procedem dessa forma, impedindo o empregado de marcar, anotar, registrar suas horas extras corretamente. Nesse caso, o empregado deve anotar seus créditos e débitos, apesar de tais anotações não terem qualquer validade jurídica”, diz.

“Se for uma empresa séria fará um relatório mensal para informar as horas colocadas no banco. Existe ainda o cartão de ponto. Mas, de qualquer forma, o empregado deve não só anotar como guardar qualquer coisa que prove que ele fez as horas a mais”, diz Simone.

O funcionário pode optar por emendar as férias com os dias a que tem direito de folgar? De acordo com a juíza, tudo depende do que foi ajustado entre patrão e trabalhador. Se a hipótese estava prevista no acordo, pode emendar as férias com as folgas. Em caso de não haver essa previsão, a prática não será permitida.

“Se todos os funcionários resolverem emendar na mesma data a empresa para, por isso, a palavra final é do empregador, mas o empregado pode optar”, diz Simone.

Se o funcionário optar por receber as horas extras em folgas ele não tem direito a receber nada nas verbas rescisórias?
De acordo com Simone, nada é contabilizado na rescisão se as horas extras foram pagas pelo banco de horas. Mas se sobrarem horas extras que não foram tiradas em forma de repouso então devem ser pagas na rescisão acrescidas de 50%.

É possível usar o banco de horas aos finais de semana caso na jornada de trabalho esteja previsto que o trabalhador trabalhe nesses dias? De acordo com os especialistas, é possível folgar aos fins de semana caso a possibilidade esteja prevista no acordo entre patrão e empregado.

O empregador pode optar por remunerar as horas extras e também dar folgas no mesmo mês trabalhado? Os especialistas afirmam que pode haver um sistema misto desde que haja acordo entre as partes. Leandro diz que o empregador pode adotar o regime de banco de horas com um limite e, ultrapassado esse patamar estipulado, as horas extras começam a ser pagas. 


As categorias que mais usam o banco de horas são as dos bancários, comerciários e empregados de multinacionais

A opção de compensar as horas extras por meio de pagamento ou banco de horas sempre deve ser acertada por meio de acordo individual, acordo coletivo ou convenção coletiva? De acordo com Leandro e Simone, a CLT determina que o banco de horas deve ser acertado por acordo ou convenção coletiva, não individual. Mas pela jurisprudência (súmula 85 do Tribunal Superior do Trabalho), também pode ser por acordo individual.

O funcionário pode escolher o dia em que quer folgar (quando a empresa tem banco de horas) ou é o empregador que determina? De acordo com Simone, o empregado pode pedir, mas a palavra final é do empregador, para não atrapalhar o funcionamento da empresa, mas se não houver problema o empregado é quem escolhe o dia. “O empregador não pode dizer não como caráter punitivo, mas apenas para não prejudicar a empresa. Por exemplo, se houver dois funcionários do mesmo setor que querem folgar no mesmo dia, deverá haver entendimento entre empregador e empregado”, diz
Para a juíza Vólia, tudo deve ser ajustado entre as partes ou previsto na norma coletiva (acordo ou convenção coletiva).

A maioria das decisões na Justiça do Trabalho tem condenado as empresas a pagar as horas extras apontadas no banco de horas? De acordo com Simone, a jurisprudência só pede para pagar se ao final de um ano do contrato ou quando o empregado é demitido ainda haja horas extras a serem recebidas.

Para a juíza, o empregador será condenado a indenizar as horas extras, mesmo que já tenham sido tiradas em forma de descanso, se não forem cumpridos o acordo individual escrito entre empregado e empregador ou a norma coletiva que prevejam a total compensação das horas extras com pagamento ou banco de horas, O acordo de compensação, segundo a juíza, prevê que o empregador não poderá exigir do empregado mais de duas horas extras por dia.

domingo, 24 de janeiro de 2010

De que temos medo?


http://divadiz.com/wp-content/uploads/2009/08/o-grito.jpg
O Grito, obra de Edvard Munch
Hoje temos medo de tudo. Como vivemos nas cidades não temos medo dos tigres, leões, chacais, rinocerontes ou hipopótamos. Temos medo das crianças nos sinais, das bicicletas que escoltam nossos carros e mais ainda das motocicletas com dois passageiros. Não dormimos enquanto nossos filhos ou netos não chegam em casa na madrugada sempre prazerosa para os jovens. E ainda tem as balas chamadas perdidas, que todo dia ceifam vidas inocentes. Temos medo de ir a qualquer aglomeração por causa de um terrorista que pretende ir para os céus e pode nos explodir a todos. Finalmente com nossas próprias mãos estamos destruindo o frágil planeta que é nossa casa e não entendemos por que ele está enraivecido nos mandando tsunamis, terremotos, furacões e enchentes. Tem alguma coisa errada no nosso comportamento. Ou nos corrigimos ou a banalidade do horror será o nosso cotidiano. A maioria pensa que a salvação está nas religiões e crenças. As religiões e crenças em nome de DEUS tem matado mais gente do que todas as guerras e pestes . A resposta está na tolerância, no respeito às diferenças e na dúvida. Só quem duvida é capaz de amar a si próprio e aos desconhecidos.

NÃO TER PRESSA E GANHAR TEMPO .


Uma   história   que   li   há   algum  tempo  ilustra   com  grande  sapiencia o  apelo   ao  tempo   para  resolver  dificuldades .
Um   forasteiro   penetra  inadvertidamente  no  reino   de  um  soberano  cruel  e  é   preso e   levado   na   presença  do  tirano .Este   condena   imediatamente o  forasteiro  a  morte  na  fôrca .O   forasteiro disse   que  quer manifestar  seu  último   desejo  antes  da  execução  da  sentença  .O   REI  cruel   concorda  e   ouve   o  forasteiro .Este   diz   então com  muita convicção .Vossa   Majestade   tem   toda   razão   de   me  condenar  ao  enforcamento  por   penetrar   nas  suas  terras   sem  autorização .  Entretanto  Sua   Majestade   deve   desejar   alguma  coisa   que   julga impossível e  lhe  daria   muita   felicidade . Peça   a  mim que   eu realizarei   seu   desejo  e   se   iso   acontecer Vossa   Majestade   me   concede   a   liberdade . O   Rei  pensou  ,fechou  os  olhos  e  refletiu  e   chamou  um  pagem. Vá   estrebaria  e  traga  meu  jegue   preferido  que   quase   imediatamente  ,   chegou   puxado  por   arreios  de  ouro   diante do   trono .E  o  Rei   disse   para   o  forasteiro condenado   a  morte . FAÇA   MEU  JEGUE   FALAR  e  está  livre   do  enforcamento .

O   forasteiro   olhou   fixamente  para  o  REI  e  disse . Isso   que  o  Vossa  Majestade   pede  é  muito  fácil . Seu  jegue  vai  falar e  vai   poder  conversar  com  o  REI  e  seus   ministros  . Preciso   apenas   de   um   tempo  para  treinar   o   animal . O   REI  não   se   apercebendo  da   armadilha decidiu  que   o  forasteiro   teria  o  tempo   que  quisesse  e   o   forasteiro   pediu   DEZ  anos .O   Rei   se   surpeendeu   mas   já  tinha  dado   sua   palavra   que   o   tempo   seria   concedido  e  mandou   os   guardas  voltarem  com  o prisioneiro  para a cela  dele . No  caminho  um  dos   guardas  disse  para  o  estrangeiro :  Se  daqui  a   dez   anos o   jegue  não falar o Rei  vai  lhe  enforcar .O   estrangeiro   riu   e  pensou   sem  falar  para  ser   não  ouvido .  DAQUI   a   DEZ  ANOS  OU  MORRE  O  REI  ,OU  MORRE  EU   OU  MORRE  O   BURRO . E  O  PROBLEMA  ESTÁ  RESOLVIDO .

"Divórcio" de cisnes intriga veterinários britânicos


da BBC Brasil
Um raro caso de "divórcio" entre cisnes observado em uma reserva natural para aves no centro do Reino Unido está intrigando os especialistas. Os cisnes normalmente mantêm um único parceiro pela vida toda.

Mas um casal de cisnes surpreendeu os veterinários da reserva de Slimbridge, no condado de Gloucestershire, ao retornar ao local em sua migração de inverno com parceiros diferentes dos que tinham na temporada do ano passado.

Casos de cisnes que encontram novos parceiros após a morte do parceiro anterior não são incomuns.

Mas os veterinários do centro dizem que esta é apenas a segunda vez em mais de 40 anos que um "divórcio" como esse foi observado entre os mais de 4 mil casais de cisnes que passaram pela reserva no período.

Os veterinários descreveram a situação como "bizarra".

Suspeitas
As primeiras suspeitas sobre a ocorrência rara foram levantadas quando o cisne macho Sarindi retornou da migração anual para o ártico russo sem sua parceira por dois anos, Saruni, e trazendo uma nova fêmea à tiracolo, batizada de Sarind.

A chegada do casal levou os veterinários da reserva a temerem que Saruni havia morrido.
Mas pouco depois Saruni chegou à reserva, trazendo um novo macho, Surune.

Após observá-los, os especialistas concluíram que o relacionamento antigo havia acabado e que novos teriam começado.

Surpresa
Julia Newth, pesquisadora de vida selvagem do centro Slimbridge, disse que a situação surpreendeu os funcionários da reserva.

Segundo ela, os cisnes tendem a manter "verdadeiras lealdades" e longos relacionamentos.

"Enquanto ambos estiverem vivos, eles tentarão se manter juntos. Se eles mudam de parceiros, normalmente é em consequência da morte de um deles, não por escolha própria", explica.

Segundo ela, o casal antigo não tomou conhecimento um do outro com nenhum sinal de reconhecimento ou de cumprimento, embora eles estejam ocupando a mesma parte de um pequeno lago da reserva.

Questionada sobre a razão da separação, ela diz: "Uma possível razão é a incapacidade para reproduzir, já que eles estavam juntos havia dois anos, mas nunca tiveram filhotes. Mas é difícil dizer a razão com certeza".

Dilma diz que gostaria de levar brasileiros ao paraíso.

Quem se habilita?

No R7
A ministra da Casa Civil, Dilma Rousseff, disse neste sábado (23) que "gostaria muito de levar os brasileiros ao paraíso", ao ser indagada se assumiria a missão de ser a candidata à sucessão do presidente Luiz Inácio Lula da Silva. Ela compareceu à cerimônia de cessão de uma área pública ao município de Rio Claro, SP, que teve a participação do ministro da Relações Institucionais, Alexandre Padilha, deputados e 25 prefeitos.

- Acho [o paraíso] uma das maiores e melhores ambições que podemos ter.

A ministra se referia à afirmação do presidente da Câmara, deputado Michel Temer (PMDB-SP), cotado para ser o candidato a vice em eventual chapa PT-PMDB, que pouco antes, em discurso, elogiou a ministra e, numa metáfora, afirmou:

- Tomo você como exemplo para dizer que já levou os brasileiros administrativamente ao paraíso e os levará politicamente ao paraíso".

Dilma respondeu chamando Temer de "companheiro incansável" na aliança PT-PMDB, que tem sustentado o governo Lula. Citando o Velho Testamento, a expulsão de Adão e Eva do paraíso, Temer havia feito defesa veemente das mulheres. Afirmou que elas não são as responsáveis pela saída do homem do paraíso e sim por trazê-los ao paraíso.

Apesar de admitir a intenção de ser pré-candidata à sucessão de Lula, Dilma afirmou que só poderá responder sobre o tema em 21 de fevereiro, quando termina o encontro nacional do PT que indicará o candidato. Mesmo assim, deixou claro que não concorda e não fará ataques pessoais a eventuais adversários durante o período eleitoral.

- O governo do presidente Lula não combina com agressão. Temos projetos. Se elevarem o tom, vamos reduzir. Se alguém fala que vai acabar com programas, assuma as consequências e vamos debater.

Durante toda a semana PT e PSDB trocaram insultos. A discussão foi deflagrada no começo da semana, quando Dilma acusou o presidente do PSDB, Sérgio Guerra, de planejar o fim do Programa de Aceleração do Crescimento (PAC).

Como exemplo de bom nível na campanha eleitoral, a ministra citou máxima do deputado federal Ulysses Guimarães, natural de Rio Claro e que morreu em acidente de helicóptero em 1992. 

- O doutor Ulisses dizia que não se faz política com o fígado, conservando em geladeira rancor e ressentimento.

Sobre as acusações da oposição de que ela e o presidente estariam fazendo campanha antecipada, foi objetiva. Negou o uso da máquina administrativa e considerou "absolutamente legítimo" que o governo inaugure obras que fez. 

- É muito fácil dizer que a obra (do PAC) não existe a mil quilômetros dela.

Depois de dez anos, as jogadas ensaiadas dos realities estão claras

ALEXANDRA MORAES
da Folha de S.Paulo


A longevidade do "Big Brother Brasil" (Globo), que chegou à décima temporada, prova que a experiência fez bem aos reality shows. Ainda mais quando confrontado com os dois concorrentes, "A Fazenda 2" (Record) e "Solitários" (SBT). O elenco e os meandros do "BBB" mostram que a repetição só beneficiou o formato.

Empresas estrangeiras lideram mercado da TV para reality shows
O programa da Globo começou separando os confinados em tipos. "Sarados", "belos", "cabeças", "coloridos" e "ligados" entregam logo de cara as compartimentações que fazem a festa de programas de humor.

Frederico Rozário/TV Globo
O participante Sérgio, gay assumido, gritou "Quem é macho aqui!" ao ganhar a liderança numa prova do "BBB10"
Sérgio ganha prova e imunidade no "Big Brother Brasil 10"

Enquanto isso, em "A Fazenda 2", fortões e gostosas se esforçam para mostrar qualidades éticas e sentimentais, sem muito sucesso.

O interno da "Fazenda" Igor Cotrim é capaz de dar um show no Réveillon para protestar contra o que julga ser desperdício de comida.

Já no "BBB", quando Sérgio, gay assumido, berra um "Quem é macho aqui!" ao ganhar a liderança ou arma um jogo de beijo com Tessália, o que se vê é que a simplificação inicial acaba, paradoxalmente, dando espaço para que nuances cresçam.

Lá pelas tantas, Pedro Bial provavelmente vai ler alguma filosofice sobre frustração de expectativas. Quem sabe o sucesso do programa tenha a ver, talvez, bem talvez, com essa equação de tipos x surpresas.

Depois de dez anos, as jogadas ensaiadas dos realities estão claras. Deixar que os participantes dominem o cenário é receita certa para o tédio. Em "Solitários", a conversa sem graça entre um suposto computador sádico e os supostos solitários soa tão forçada quanto a ideia de enjaular pessoas controladas por uma referência fraca ao HAL 9000 de "2001": VAL.

VAL determina as missões de nove infelizes que concorrem a R$ 50 mil em troca do bom desempenho em uma espécie de show de talentos que faria Aracy de Almeida corar de vergonha alheia.

A TV está aberta ao show de horror dos participantes dos reality shows. Mas não custa nada respeitar proposições universais. A começar de um dito do poeta inglês John Donne (1572-1631) --batido suficiente para que qualquer recém-saído de reality show o conheça: "Nenhum homem é uma ilha". E não vai ser a pobre VAL que vai mudar isso.


BIG BROTHER BRASIL 10
Avaliação: bom

A FAZENDA 2
Avaliação: regular

SOLITÁRIOS
Avaliação: ruim

Brad Pitt e Angelina Jolie assinam separação e ela fica com filhos, dizem jornais



O casal de atores Brad Pitt e Angelina Jolie já assinou documentos legais para sua separação no início de janeiro, afirma o site sobre celebridades Pop Crunch.

O tabloide "News of the World", versão dominical do "The Sun", diz que o casal vai dividir sua fortuna de US$ 330 milhões pela metade. Outros tabloides também noticiam a separação neste domingo (24).


Guillaume Horcajuelo-20.mai.2009/Efe
Atores Angelina Jolie e Brad Pitt, que teriam assinado documentos para separação
Atores Angelina Jolie e Brad Pitt, que teriam assinado documentos para separação
O jornal também diz que o casal prepara um anúncio oficial sobre sua separação, o que terminaria com vários meses de especulações sobre seu relacionamento de cinco anos.
O casal, de acordo com o Pop Crunch, vai receber custódia compartilhada dos filhos. Assim, ambos teriam responsabilidades pelas crianças. No entanto, as crianças ficariam em tempo integral com Angelina, segundo o Pop Crunch.
Os filhos são seis: os adotados Maddox, 8, Pax, 6, Zahara, 5; e os biológicos Shiloh, 3, além dos gêmeos Knox e Vivienne, de 17 meses.
As preparações para a separação, segundo o "News of the World", começaram no início de dezembro, quando visitaram uma empresa especializada em divórcios, que já trabalhou com diversas outras separações de celebridades.

Gianni Giouse-27.jan.2009/Efe
Casal Angelina Jolie e Brad Pitt, com os seus filhos, no aeroporto de Narita, em Tóquio, no Japão

Casal Angelina Jolie e Brad Pitt, com os seus filhos, no aeroporto de Narita, em Tóquio, no Japão

Aécio diz que, em Minas, vai entregar vitória a Serra


O PSDB está exultante. Celebra a resolução dos problemas que o atormentavam numa região eleitoralmente estratégica: o “triângulo das Bermudas”.

É como os políticos se referem ao pedaço do mapa que concentra os três maiores colégios eleitorais do país: São Paulo, Minas e Rio.

Para Serra, a obtenção de boas votações nessas praças é vital. Uma forma de atenuar a desvantagem que amarga no Nordeste, região onde o prestígio de Lula é maior.

Parte da celebração tucana se deve ao comportamento de Aécio Neves. O governador de Minas fez nos últimos dias declarações que soaram como música.

Eis o que disse Aécio, em privado, na semana passada: “Em Minas, vou entregar a vitória ao Serra”.

A justificativa empresta credibilidade ao comentário de Aécio. Afirma que o triunfo mineiro de Serra interessa a ele próprio.

Por quê? Ouça-se Aécio: “Vou fazer a minha parte porque quero chegar a Brasília forte”. Acha que sua força depende do êxito de Serra e de Antonio Anastasia.

Anastasia é, hoje, vice-governador de Minas. Foi guindado por Aécio à condição de candidato a governador. Frequenta o terceiro lugar nas pesquisas.

De resto, o tucanato enxergou nas manifestações reservadas de Aécio a abertura de uma porta que parecia fechada.

O governador mineiro já não soa peremptório quanto à escolha do cargo que irá disputar em 2010. Ainda pende para o Senado. Porém...

Porém, Aécio já considera a hipótese de se render à pressão que o empurra para a posição de vice na chapa presidencial da oposição.

A julgar pelo que diz entre quatro paredes, Aécio vai prolongar a dúvida quanto ao seu futuro até maio, um mês antes das convenções partidárias.

No cenário esboçado por Aécio, a candidata petista Dilma Rousseff vai tomar o elevador nas pesquisas, encurtando a diferença que ainda a separa de Serra.

Nessa hipótese, imagina Aécio, seu cacife aumenta. Negociaria sua eventual entrada na chapa em condições mais favoráveis que as atuais.

Deve-se outro pedaço da euforia tucana ao detalhamento do acordo que pôs de pé, no Rio, a candidatura de Fernando Gabeira (PV).

Depois de um vaivém incômodo, Gabeira topou disputar o governo do Estado, em aliança com os três partidos que gravitam na órbita de Serra: PSDB, DEM e PPS.

No primeiro turno, Gabeira se dedicará à sua própria candidatura e à de Marina Silva (PV), a presidenciável do PV.

Mas, com um candidato a vice tucano e um postulante ao Senado do DEM, Gabeira abrirá espaço em sua propaganda televisiva para vozes que farão soar no Rio o nome de Serra.

Mais: passando ao segundo turno, como a oposição espera, e confirmando-se o embate nacional PT X PSDB, Gabeira estará à vontade para propagandear a opção por Serra.

Quanto a São Paulo, Estado em que o PSDB exerce a hegemonia política há mais de 16 anos, consolida-se o palanque de Geraldo Alckmin.

Alckmin belisca índices que roçam os 50% nas pesquisas. Embora torcesse o nariz o correligionário, Serra parece agora bem mais afeito à idéia de digeri-lo.

Contribui para atenuar a aversão a Alckmin a erosão da popularidade de Gilberto Kassab (DEM), o aliado que Serra acomodou na prefeitura de São Paulo.

Minado por recentes reajustes de tributos e ilhado pelas enchentes, Kassab arrosta o seu pior momento. Serra, também molhado pelas chuvas, não se livra do contágio.

Trabalha para envernizar sua imagem. Mimetiza a dupla Lula-Dilma, intensificando as inaugurações e vitaminando a publicidade.

Como parte desse esforço, a opção por Alckmin revela-se mais segura. Ainda que imponha a digestão de alguns sapos.

No mais, o presidente do PSDB, Sérgio Guerra, pretende trabalhar, nas próximas semanas, para pôr de pé os palanques de Serra no Sul.

É uma região em que o tucanato costuma obter boas votações. Em 2006, Alckmin prevaleceu sobre Lula no Sul.

Por ora, soltam-se fogos pelo triângulo. Junto com a Bahia, São Paulo, Minas e Rio concentram quase metade (48,7%) do eleitorado brasileiro.

Vale rememorar os resultados de 2006. Em São Paulo (29,4 milhões de eleitores), Alckmin bateu Lula, no segundo turno: 52,26% a 47,74%.

Em Minas (14,1 milhões de eleitores), Lula prevaleceu sobre Alckmin: 65,19% a 34,81%. Daí a importância do arregaçar de mangas do popular Aécio.

No Rio (11,3 milhões de eleitores), Lula também surrou Alckmin: 69,69% contra 30,31%. Por isso, os fogos pela entrada de Gabeira, terceiro colocado nas pesquisas, no ringue.

A oposição aposta no êxito de Serra no triângulo porque Dilma não é Lula. E a capacidade de o presidente transferir votos parece ser menor nesses Estados.

Dá-se o oposto no Nordeste. Ali, o prestígio de Lula é mais expressivo. Em 2006, beliscou 77,1% dos votos disponíveis na região, contra 22,9% dados a Alckmin.

Ainda que consiga penetrar nos Estados menos desenvolvidos, Serra e seus aliados sabem que os principais lances do jogo sucessório serão jogados no Sudeste, seguido pelo Sul.