Pages

terça-feira, 31 de maio de 2011

Empresa oferece serviço de mecânico delivery para bicicletas

Empresa oferece serviço de mecânico delivery para bicicletas
Foto: Divulgação
Seja durante um passeio ou no caminho para o trabalho, muitos ciclistas podem enfrentar incidentes como um pneu furado ou uma corrente quebrada. Para quem não sabe como fazer os reparos necessários ou não costuma andar com kit de emergência na mochila, o contratempo pode ser transformar em um problema maior ainda.

Foi justamente para auxiliar essas pessoas que um grupo de estudantes de Amsterdã criou a Fietsforce, uma empresa especializada em prestar socorros para bikes quebradas em toda capital holandesa.

Ela funciona como uma seguradora de carros. Basta o usuário ligar para um 0800 disponibilizado pela empresa, informar o problema e em que endereço se encontra. Imediatamente a central enviará um mecânico treinado até o local, onde ele fará os reparos necessários em freios, correntes e pneus.

O cliente paga pelo serviço ali mesmo e já volta para casa pedalando. Os valores variam de € 4,00 a € 20,00, a depender do tipo de conserto. Quem optar por uma revisão da bike depois do primeiro serviço ainda ganha 50% de desconto.

Responsabilidade social

O engajamento da Fietsforce não se limita a facilitar a vida de quem escolheu a bicicleta como meio de transporte. Em parceria com uma das maiores empresas de relocação profissional do país, a Pantar Amsterdã, a iniciativa da Fundação Fietsforce de Amsterdã recruta pessoas que estão há muito tempo sem trabalho e jovens em situação de risco social ou em busca do primeiro emprego para aturem como mecânicos.

Todos eles recebem treinamentos e orientações necessárias para darem um novo início a suas vidas e crescerem profissionalmente. "A Fietsforce está comprometida em ir além da imagem negativa desses jovens e mostrar que cada indivíduo é único, tanto nos problemas como também nos talentos", afirmam os organizadores da empresa.

De acordo com a empresa, que defende "fortemente a combinação de compromisso empresarial e social", uma sociedade ideal é aquela onde não existam jovens sem objetivos e perspectivas de futuro, e todos devem se envolver no problema para fazer a diferença. "Queremos destacar as capacidades das pessoas. Consideramos importante que jovens bons, intensos e inovadores recebam essa orientação."

O serviço da Fietsforce só está disponível em Amsterdã, mas nada impede que a iniciativa seja reaplicada em outros locais, especialmente naqueles em que há carência de empregos e ciclistas a espera de um bom mecânico.

Portal EcoD

Dia Mundial Sem Tabaco: 12 motivos para parar de fumar já!

Segundo a OMS, o tabagismo irá matar mais de 16 mil pessoas por dia em 2011

Motivos não faltam para extinguir o fumo da sua rotina. A Organização Mundial da Saúde (OMS) afirmou, no último dia 27 de maio, que o tabaco irá matar nada menos que seis milhões de pessoas somente em 2011, sendo 600 mil fumantes passivos. Se esses números continuarem aumentando, a estimativa é que, em 2030, oito milhões de pessoas morram por ano por conta desse péssimo hábito.

O Dia Mundial sem Tabaco (31 de maio) foi criado pela OMS em 1987, justamente para tentar reduzir esses números alarmantes. O objetivo é atrair a atenção do mundo para a epidemia do tabagismo - que matou 100 milhões de pessoas no século XX - e as mais de 50 doenças relacionadas a ele que poderiam ser evitadas. Governos de diversos países, especialistas e estudos científicos caminham para uma mesma direção: alertar que o fumo faz mal e causa inúmeros malefícios no organismo. Confira alguns deles:

1. Redução de olfato e paladar
Tabaco afeta olfato e paladar - Foto: Getty Images
O fumo traz sérias alterações na boca e no nariz. "Os agentes químicos presentes no cigarro atuam como irritantes da mucosa bucal, o que resseca e aumenta a camada de queratina", explica a nutricionista Thais Souza, da Rede Mundo Verde. Ela explica que o fumo promove alterações nas papilas gustativas, o que impede que o fumante sinta o real sabor dos alimentos.

Além disso, o cigarro é prejudicial para a mucosa olfativa, já que seu efeito térmico pode levar a lesões que alteram o olfato.
 
2. Doenças gastrointestinais
Doenças gastrointestinais - Foto: Getty Images
A digestão já fica prejudicada por conta das alterações no paladar. Para completar o desastre, a nicotina no sistema digestivo provoca a diminuição da contração do estômago e provoca irritação. O uso contínuo do cigarro enfraquece o músculo que impede o refluxo, o que aumenta o contato de ácido gástrico com a mucosa esofágica. O tabaco ainda facilita a infecção por bactérias causadoras da úlcera gástrica.

3. Rugas e pele envelhecida
Cigarro provoca envelhecimento precoce - Foto: Getty Images
Além dos dentes amarelados e do mau hálito, a pele tende a envelhecer mais rápido nos fumantes. "Existem alguns estudos feitos com gêmeos, em que somente um tinha o hábito de fumar, que comprovaram que aquele que fumava poderia aparentar até oito anos a mais que o irmão", conta o cirurgião plástico Gerson Luiz Julio.

Isso acontece porque a pele diminui a produção de colágeno e perde brilho e elasticidade. De acordo com Gerson, o aparecimento precoce de rugas também é provável, o que deixa a pele com um aspecto pardo ou amarelado. "Outra característica que os fumantes normalmente expõem na face são as populares manchas", completa o profissional.
 
4. Câncer de boca
De acordo com o diretor do Departamento de Estomatologia do Hospital do Câncer, Fábio de Abreu Alves, 95% dos pacientes com câncer de boca fumam. O motivo é a composição do cigarro: "Ele é produzido por cerca de 4.700 substâncias tóxicas, sendo 60 cancerígenas", diz o especialista. Esse emaranhado de elementos nocivos presentes no tabagismo ainda é responsável por diversos outros tipos de câncer, principalmente nas vias aéreas, como laringe, esôfago e pulmão.

O dentista Marcelo Kyrillos, da clínica odontológica Ateliê Oral, também explica que a nicotina desestrutura a parte óssea da boca e danifica a estética vermelha natural da gengiva. O esmalte dos dentes é atingido pelo alcatrão. Ela penetra no esmalte superficial e causa o escurecimento deles.
 
5. Problemas de visão
Cigarro aumenta chances de catarata - Foto: Getty Images
Segundo dados do Instituto Nacional do Câncer, INCA, os fumantes apresentam um risco duas vezes maior de catarata e de duas a três vezes maior de desenvolver a degeneração macular relacionada à idade.

O oftalmologista Virgilio Centurion, diretor do Instituto de Moléstias Oculares, conta que os efeitos maléficos do tabagismo também estão associados à queda das pálpebras. "Isso pode provocar uma diminuição do campo visual e o aparecimento da oftalmopatia de Graves, doença que apresenta como sintomas retração palpebral, edema palpebral, lacrimejamento, fotofobia, sensação de corpo estranho, entre outros", afirma o profissional.

6. Alteração das funções dos genes
A exposição à fumaça de cigarro altera a formação das células por conta do comprometimento da função de alguns genes, segundo um estudo realzado pela Southwest Foundation for Biomedical Research, nos Estados Unidos.

Os cientistas analisaram 1.200 pessoas e identificaram 323 genes que sofrem alterações na hora de converter informações genéticas em funções celulares por causa da fumaça do cigarro. Essas alterações têm grande influência negativa no sistema imunológico e um forte envolvimento no processo de morte das células e desenvolvimento de câncer.
 
7. Anulação dos efeitos benéficos de beber com moderação
A comprovação vem de um estudo da Universidade de Cambridge (Inglaterra) com 22 mil participantes. De acordo com os cientistas, beber com moderação (de três a 14 doses por semana) diminui as chances de um AVC, ou seja, uma redução de 37% no risco de acidente vascular cerebral.

No entanto, os fumantes que consumiam uma quantidade similar de álcool não apresentavam tal declínio em suas chances para o curso. Vale lembrar também que já era comprovado que pessoas que fumam têm um risco 64% maior de ter um acidente vascular cerebral do que aquelas que nunca fumaram.
 
 8. Doença Pulmonar Obstrutiva Crônica
O tabagismo é a principal causa da DPOC (Doença Pulmonar Obstrutiva Crônica), complicação definida pela presença de obstrução progressiva do fluxo aéreo. "O perigo de desenvolver DPOC em um grupo de fumantes de dois maços de cigarros por dia é aproximadamente 4,5 vezes maior que para os não-fumantes", conta a fisioterapeuta Adriana Marques Battagin, especialista em fisioterapia cardiorrespiratória.

Ela explica que o impacto da DPOC sobre o indivíduo portador não se dá somente na limitação física para a execução das atividades da vida diária, mas também nas relações afetivas, conjugais, sexuais, no lazer e no exercício profissional. Em decorrência da limitação física, muitos doentes tornam-se amplamente dependentes de seus familiares, despertando um sentimento de incapacidade e contribuindo para a diminuição de sua auto-estima e a alteração de humor.

9. Doenças neurológicas
Cientistas do National Brain Research Center, da Índia, descobriram uma ligação direta existente entre tabagismo e danos cerebrais. Um composto do cigarro, chamado NNK, desencadeia uma resposta exagerada do cérebro a partir de células imunes no sistema nervoso central.

Os glóbulos brancos, que normalmente eliminam células danificadas, passam a atacar células saudáveis, resultando em graves danos neurológicos. De acordo com os pesquisadores, a substância é considerada pró-cancerígena, o que significa que pode causar câncer quando é modificada por processos metabólicos do corpo, além de desencadear distúrbios como a esclerose múltipla.

10. Infertilidade em mulheres e homens
O ginecologista Assumpto Iaconelli Júnior conta que, nas mulheres, o tabagismo pode causar: antecipação da menopausa, aumento de irregularidades menstruais, alterações hormonais, menor qualidade dos óvulos e embriões e dificuldade de implantação do óvulo.

"Observamos na nossa clínica, que realiza tratamentos de fertilização in vitro, que mulheres que fumam têm menor taxa de sucesso e precisam do dobro de tentativas, em média, em relação às não tabagistas, para conseguir uma gestação", completa o especialista.

Já nos homens, o cigarro afeta a formação e diminui a mobilidade dos espermatozóides, piora o potencial de fertilização e aumenta o estresse oxidativo (radicais livres).
 
11. Problemas no coração

A complicação cardiovascular decorrente do cigarro afeta até mesmo o fumante passivo. Pesquisadores do Departamento de Cardiologia do Erasme Hospital e a Univesité Libre de Bruxelles, na Bélgica, comprovaram que respirar as substâncias do cigarro afetam várias funções do sistema vascular arterial - e mesmo quando já não há mais fumaça no ar.

O tabagismo - tanto ativo quanto passivo - provoca elasticidade do sistema vascular. O presidente da Sociedade Brasileira de Hipertensão, Fernando Nobre, alerta: "Essa elasticidade traz danos para a manutenção de uma pressão arterial saudável, além de poder evoluir para outros problemas, como o AVC".
 
12. Complicações na maternidade
Gravidez definitivamente não combina com cigarro. "Abortos espontâneos, nascimentos prematuros, bebês de baixo peso, mortes fetais e de recém-nascidos, complicações com a placenta e episódios de hemorragia ocorrem mais frequentemente quando a mulher grávida fuma", afirma o ginecologista Aléssio Calil Mathias.

Segundo dados do INCA, um único cigarro fumado por uma gestante é capaz de acelerar, em poucos minutos, os batimentos cardíacos do feto, devido ao efeito da nicotina sobre o seu aparelho cardiovascular.

Um estudo da Universidade de York, no Reino Unido, também aponta que mulheres que fumam na gravidez têm maior risco de ter filhos hiperativos e com problemas de atenção na escola.

E não é só: o pneumologista Sergio Ricardo Santos, presidente da Comissão de Tabagismo da Sociedade Paulista de Pneumologia e Tisiologia (SPPT), ainda dá o alerta de que bebês que convivem diretamente com fumantes têm maiores chances de morrer sem nenhuma causa aparente, a chamada Síndrome da Morte Súbita Infantil.

segunda-feira, 30 de maio de 2011

Fifa dá aval para janela de transferências do Campeonato Brasileiro ser antecipada

Jogadores como Alex, recém-contratado pelo Corinthians, Giberto Silva no Grêmio e Juninho Pernambucano do Vasco poderão jogar no Brasileiro ainda no primeiro turno

Fifa dá aval para janela de transferências do Campeonato Brasileiro ser antecipada
Assim como no ano passado, a janela de transferência de jogadores vindos de clubes internacionais deverá ser antecipada no Campeonato Brasileiro. Nesta segunda-feira, a Fifa autorizou a Confederação Brasileira de Futebol a fazer a alteração da data, previamente estipulada para o dia 3 de agosto, e a entidade deverá divulgar o novo prazo para a inscrição de atletas ainda hoje.

A antecipação da janela de transferências era um pedido de alguns clubes brasileiros que contrataram recentemente reforços vindos do exterior. Com a confirmação da nova data, atletas como Alex, vindo do Spartak Moscou para o Corinthians, Juninho Pernambucano, ex-Al-Gharafa e atualmente reforço do Vasco, Gilberto Silva novo jogador gremista, contratado junto ao Parathinaikos, e Renato que chegou ao Botafogo vindo do Sevilla, poderão estrear no Brasileiro ainda no primeiro turno - a expectativa é que a nova data escolhida pela CBF seja 15 de junho.

Em 2010, a janela de transferências também sofreu alteração de data. O principal interessado à época, era o Internacional, que passou a contar com os reforços de Tinga, Rafael Sóbis e Renan já na semifinal da Libertadores da América.

Por ESPN.com.br

Descoberta da Aids completa 30 anos

A Aids, uma doença ainda sem cura, foi descoberta há trinta anos e já provocou 30 milhões de mortes, transformou o mundo, gerou um investimento financeiro exemplar, uma mobilização de larga escala e avanços médicos espetaculares.

Há 30 anos, no dia 5 de junho de 1981, o Centro de Controle de Doenças de Atlanta, nos Estados Unidos, descubriu em cinco jovens homossexuais uma estranha pneumonia que até então só afetava pessoas com o sistema imunológico muito debilitado.

Um mês depois, foi diagnosticado um câncer de pele em 26 homossexuais americanos e se começou a falar de "câncer gay".

No ano seguinte, a doença foi batizada com o nome de Síndrome da Imunodeficiência Adquirida, Sida, em inglês, Aids.

Em 1983 uma equipe francesa isolou o vírus transmitido pelo sangue, secreções vaginais, leite materno ou sêmen, que ataca o sistema imunológico e expõe o paciente a "infecções oportunistas" como a tuberculose ou a pneumonia.

Nestes 30 anos de Aids e seus milhões de vítimas, também foi uma época de grandes êxitos contra o vírus. Em 1996, com o desenvolvimento dos anti-retrovirais, a doença mortal passou a ser uma enfermidade crônica.

O Fundo Mundial, criado em 2002, já distribuiu 22 bilhões de dólares em subsídios e um "programa de urgência" foi organizado nos Estados Unidos.

"A Aids mudou o mundo; uma novo relação social foi criada entre os países do norte e do sul de maneira que nenhuma outra doença já tinha provocado", destacou Michel Sidibé, diretor da ONUAIDS.

A sua maneira, os doentes participam também na luta e se transformam em "pacientes experts", que relatam aos especialistas sua experiência, definem as necessidades e anotam os efeitos indesejáveis dos tratamentos, segundo Bruno Spira, presidente da associação Aides.

A Aids tem matado menos, no entanto ela não desaparece. Pelo contrário, o número de pessoas infectadas tem aumentado nos últimos anos, exigindo mais pesquisas, mais tratamentos e mais dinheiro.

Por enquanto, apenas uma em cada três pessoas que necessitam de tratamento tem acesso às drogas. Ainda pior é que para cada duas pessoas que iniciam o tratamento, cinco outras pessoas são contaminadas.

Os esforços agora são direcionados para a prevenção com novos métodos: a circuncisão, que segundo pesquisas ainda não conclusivas podem diminuir as chances de contágio; um gel microbicida para as mulheres e o tratamento dos doentes que diminui em mais de 90% as chances de transmissão do vírus.

No entanto, mesmo com trinta anos de pesquisas, e muitos investimentos, ainda não há cura e a Aids está longe de ser vencida.

Sem contar o fato que, segundo o Fundo Mundial, os financiamentos previstos para os próximos anos são claramente inferiores às necessidades.

Além disso, dois terços dos soropositivos no mundo desconhecem a própria doença e disseminam o vírus. Na França, por exemplo, uma pesquisa revelou que 18% dos clientes de bares e saunas gays estão contaminados e 20% destes desconhecem.

Socialmente, a Aids ainda é uma doença pouco comum, e muitos preferem ignorá-la. "Ainda assim, como há 30 anos, é difícil reconhecer uma ′doença vergonhosa`, que não quer ser discutida mostrada falada e examinada", diz Bruno Spire, também portador do HIV.

"A Aids foi a maior epidemia do século XX e é a maior do século XXI", afirma por sua vez o professor Jean-François Delfraissy, da Agência de Pesquisa sobre a AIDS.

Da AFP Paris

Sites oferecem serviço para lidar com perfis e senhas em caso de morte

Na era em que a internet se tornou uma presença inevitável no dia-a-dia de todos, sites estão oferecendo serviços para lidar com a vida cibernética após o encerramento da material.

A atenção que têm gerado mensagens póstumas como a do blogueiro canadense Derek Miller, que morreu no início deste mês, ilustra uma tendência de se cuidar da vida on-line tanto quanto a física após a morte.

Sites oferecem serviço para lidar com perfis e senhas em caso de morte
Sites oferecem serviço para lidar com perfis e senhas em caso de morte
Para isso, as opções existentes vão das mais práticas às mais sofisticadas. Entre as primeiras está o site www.legacylocker.com, que se propõe a funcionar como uma espécie de "cofre digital".

O serviço consiste em guardar toda e qualquer informação digital como nomes de usuários e senhas de acesso para qualquer site ou conta de email, e repassá-la para as pessoas indicadas quando o cliente partir.

É possível manter mensagens de despedidas que são enviadas aos respectivos destinatários conforme as instruções deixadas em vida. No futuro, esse serviço poderá ser feito também através de vídeo.

Outro site cuja proposta segue a mesma linha é o www.deathswitch.com, que envia emails automáticos para os usuários confirmarem que eles estão vivos.

Se as mensagens forem repetidamente ignoradas ao longo de determinado tempo, o programa pressupõe que o cliente está morto, e dispara os email com textos, dados e arquivos anexados para os endereços indicados.

"Não morra com segredos que precisam ser liberados", diz o site.

Já o Intellitar (www.virtualeternity.com) possibilita que o cliente crie uma espécie de avatar com base em uma fotografia real, ao qual a companhia atribui uma voz e acrescenta animações e efeitos.

Outras pessoas podem "entrar em contato" com o avatar para bater um papo através de um chat no site.

ÚLTIMAS PALAVRAS

Os serviços são uma versão sofisticada de uma prática que já está se tornando comum na era online, de oferecer na vida cibernética um encerramento mais suave para o fim material.

Em outros casos recentes, indivíduos com o prospecto de uma morte em breve se encarregaram de providenciar o próprio ato final em posts que foram publicados por amigos ou parceiros.

Um caso recente foi o do blogueiro Derek Miller, que morreu no início de maio em consequência de uma metástase do câncer colorretal do qual sofria. O último texto dele, "Last Post", atraiu 8 milhões de usuários ao site Penmachine.com (http://www.penmachine.com).

Derek usava o site para relatar sua dolorosa experiência, entre pinceladas de trivialidade, como o seu gosto por Diet Cherry Coke e a ceia de Páscoa.

Na Austrália, um caso que chamou atenção foi o de Jessica Horton, que mantinha o site "Dying for Beginners" (algo como "A morte para iniciantes", em tradução livre).

No seu último post, publicado por seu marido Jason, a jovem de 24 anos se disse feliz com a vida que levara até então e agradeceu pessoalmente a diversos amigos e parentes pela companhia e o amor que lhe dedicaram.

"Fui feliz ao longo de toda a minha vida. Lembrem-se, a felicidade é uma jornada, não é um destino", escreveu.

"Quando estiverem velando por mim, por favor também celebrem minha vida - o milagre que foi uma vida de amor e felicidade."

Tanto no caso de Derek quanto de Jessica, a decisão da família foi manter os sites no ar como uma espécie de homenagem à vida dos seus entes queridos.

"Respeitamos os desejos dela", disse a mãe de Jessica, Julia Whitby, ao jornal local "Sydney Morning Herald".

"Gosto de saber que ela está por aí. Sei que ela gostaria. Ela adorava escrever e se estivesse viva, tenho certeza de que seria escritora."

BBC BRASIL

Mulher corta pênis de vizinho e o entrega à polícia em Bangladesh

Uma mulher em Bangladesh entregou à polícia o pênis que cortou de um vizinho a quem acusou de ter tentado estuprá-la.

Monju Begum, de 40 anos, casada e mãe de três filhos, disse que Mozammel Haq Mazi invadiu sua casa e a atacou no vilarejo de Mirzapur, cerca de 200 km ao sul da capital do país, Dacca.

Ela alegou que Mazi, também casado e pai de cinco filhos, a assediava havia seis meses.

Um médico do hospital onde Mazi está internado disse que o pênis não pôde ser reimplantado.

"A polícia trouxe o pênis muitas horas após ele ter sido cortado. Estamos tratando-o para que possa urinar normalmente sem o pênis", disse o médico A. Sharfuzzaman, que cuida do caso.

VINGANÇA

Mazi nega as acusações e afirma que o ataque foi motivado por vingança.

"Tínhamos um caso e recentemente ela sugeriu que nós podíamos morar juntos em Daca (capital do Bangladesh)", disse ele no hospital.

"Eu recusei e disse que não podia deixar meus filhos, e ela então se vingou."

O porta-voz da polícia Abul Khaer disse que "ela registrou a queixa de estupro, afirmando que lutou com ele, cortou seu pênis e o levou para a delegacia em um saco plástico como prova".

"Vamos prendê-lo assim que sua condição física melhorar", completou.

Da BBC Brasil

Foto mostra inseto comendo filhote de tartaruga no Japão

Um pesquisador fotografou no Japão uma barata d'água no momento em que ela come um filhote de tartaruga, no que é considerada uma inversão pouco comum de papéis predatórios.

Grandes insetos da subfamília Lethocerinae são conhecidos por caçar pequenos vertebrados, incluindo peixes e sapos. Mas uma espécie particular já era conhecida por comer filhotes de cobras --e, agora, ficou comprovado que se alimenta até de tartarugas.

Barata d'água agarra a vítima, o filhote de tartaruga, para se alimentar; foto foi tirada em Hyogo, no Japão
Barata d'água agarra a vítima, o filhote de tartaruga, para se alimentar; foto foi tirada em Hyogo, no Japão
 O pesquisador Shin-ya Ohba registrou o comportamento pouco comum durante uma coleta de amostras realizada à noite na província de Hyogo, no centro-sul do arquipélago japonês.

Em um texto publicado na revista científica "Entomological Science", Ohba descreve a sua observação de um Kirkaldyia deyrolli comendo o filhote de tartaruga em um fosso próximo a uma plantação de arroz.

Usando as patas dianteiras, a barata d'água agarrou a tartaruga, enfiando seu "bico" semelhante a uma seringa no pescoço da vítima para poder se alimentar.

Anteriormente, Ohba já havia fotografado estes insetos comendo cobras.

"Todo mundo pensa que os insetos da subfamília Lethocerinae vivem de peixes e sapos. Embora comer tartarugas e cobras seja raro em condições naturais, [esta evidência] surpreende os naturalistas [por mostrar] hábitos alimentares vorazes", diz.

ESPÉCIE AMEAÇADA

Os Kirkaldyia deyrolli são nativos do Japão, onde são encontrados em plantações de arroz e se alimentam principalmente de pequenos peixes e sapos.

A espécie é considerada ameaçada pela Agência Ambiental Japonesa depois de reduções significativas em sua população nos últimos 40 anos, supostamente devido à perda de habitat e à poluição da água.

As baratas d'água são os maiores exemplares dos insetos da ordem Hemiptera.

Os integrantes da subfamília Lethocerinae são encontrados em lagoas de água fresca, lagos e córregos de baixa velocidade, além de rios nas Américas do Norte e do Sul e no leste da Ásia.

Algumas espécies do gênero Lethocerus podem atingir até 15 centímetros de comprimento, têm hábitos noturnos e sabem voar, aproveitando a luz da lua cheia para migrar. Ocasionalmente, estes insetos picam seres humanos.

DA BBC BRASIL

Maioria dos brasileiros apoia proibição de sabores em cigarro

A cabeleireira Lara K., 26, diz que não consegue abandonar o cigarro mentolado por uma razão meio infantil """o frescorzinho" que ele provoca na boca. "Já ouvi que cigarro mentolado é mais nocivo, mas não consigo parar. Fazer o quê?"

O desconforto de Lara com a dependência do aroma não é uma exceção. Pesquisa Datafolha feita para a Aliança de Controle do Tabagismo mostra que 75% dos brasileiros aprovam a proibição de aditivos como menta e chocolate em cigarros.

A pesquisa foi feita para aferir quais são as melhores medidas para reduzir o consumo de cigarro entre jovens e adolescentes.

O aumento de imposto para cigarros teve apoio de 76% dos entrevistados, e o fim da publicidade em bares e outros pontos de venda, de 78%.

Os aromas de menta, chocolate e morango são adicionados ao cigarro com um único objetivo, segundo Agenor Álvares, diretor da Anvisa (Agência de Vigilância Sanitária): "Como o tabaco tem um gosto ruim, esses aromas facilitam a iniciação ao cigarro. O aditivo é um truque sujo para conquistar os jovens".

A Souza Cruz nega que o alvo sejam os jovens.

A Anvisa faz uma consulta pública sobre o tema, com vistas a proibir os aditivos.

O mentol, o mais comum deles, diminui o desconforto da nicotina ao reduzir a irritação na garganta, por conta de seu efeito anestésico.

Nos cigarros com teores mais baixos, ele tem uma função adicional: aumenta a potência da nicotina, segundo pesquisas da FDA, agência do governo do EUA que cuida de drogas e tabaco.



JOVENS

Estatísticas no Brasil e nos EUA comprovam que os jovens são os maiores consumidores desse tipo de fumo.

Entre 2002 e 2005, o Inca (Instituto Nacional de Câncer) e pesquisadores da Universidade John Hopkins ouviram 13 mil estudantes em dez capitais brasileiras e descobriram que 44% deles usam cigarros com aroma. O índice é o dobro dos fumantes na população em geral (22%), segundo a pesquisa.

Nos EUA, os levantamentos mostram que, enquanto o percentual de fumantes está em queda, o índice dos que consomem cigarros mentolados só cresce.

Entre os jovens de 18 a 24 anos, os fumantes de cigarro mentolado representam 40%. Na população acima de 26 anos, esse índice cai para 32%, segundo a FDA.

O órgão recomendou a proibição do mentol em fevereiro, mas o Congresso não aprovou a sugestão.

A facilidade na iniciação não é o único problema com os aromatizantes, de acordo com a FDA. É mais difícil largar um cigarro com menta ou tuti-frutti do que um sem.

No Brasil, não há pesquisas sobre a dificuldade de abandonar os mentolados ou congêneres, mas a médica Stella Martins, diretora do Programa de Atenção ao Tabagista do Cratod (Centro de Referência em Álcool, Tabaco e Outras Drogas), órgão do governo paulista, diz que a percepção do usuário desse tipo de fumo é diferente.

"O problema dos que fumam cigarro com sabor é que eles acham que esse tipo de cigarro não é um problema".

Um levantamento feito pela entidade sobre o uso de derivados do tabaco nos cinco primeiros meses deste ano mostra que o cigarro com sabores ocupa a segunda posição na preferência. Segundo a consulta, 22% dizem ter fumado cigarro com sabor nos últimos 12 meses. O uso de narguilé foi relatado por 28%.

Após bronca da Fifa e pressão do governo, obras do Itaquerão começam com terraplanagem

Depois de forte cobrança das autoridades, estádio do Corinthians começou a sair do papel nesta segunda-feira
Após bronca da Fifa e pressão do governo, obras do Itaquerão começam com terraplanagem
Reprodução/ESPN
Demorou, mas agora começou para valer. Na manhã desta segunda-feira, as obras para erguer o futuro estádio do Corinthians, o Itaquerão, provável palco do jogo de abertura da Copa do Mundo de 2014, começaram com trabalhos de terraplanagem em um terreno ainda muito irregular.

Inicialmente, o presidente do Corinthians, Andrés Sanchez, havia prometido que as obras começariam em março ou, no máximo, em abril. Mais tarde, diante dos entraves burocráticos e atrasos, o cartola garantiu que o trabalho seria iniciado na última terça-feira. Não aconteceu.

Na sexta-feira, os últimos detalhes do contrato foram finalmente assinados, e nesta segunda, as obras começaram. Por enquanto, cerca de 200 funcionários estão no local, mas a expectativa é de que mais de 2 mil trabalhadores ajudem a levantar o Itaquerão.

No último sábado, o ministro do Esporte, Orlando Silva Júnior, voltou a cobrar agilidade na construção do estádio e disse que a cidade precisava "acordar" se quisesse mesmo receber a abertura do Mundial. A Fifa também vem fazendo pressão sobre a capital paulista nos últimos meses.

Por ESPN.com.br

sábado, 28 de maio de 2011

Viagem Musical

Uma Viagem mais que especial aos anos 80, onde se fazia música com qualidade e alegria, sem o apelo de hoje.
Trazemos a Banda Zero que era 10, cantando com Paulo Ricardo - Agora eu Sei

Detalhes para os comentários no youtube

É Hoje!! Você Não Pode Perder!

Abraço gera bem-estar, conforto e ainda combate o estresse

O gesto é a maneira mais universal de manifestar apoio e carinho

Está para ser criado gesto tão significativo quanto o abraço. Ao mesmo tempo em que conforta e protege, ele proporciona uma sensação prazerosa a quem envolve e é envolvido. O ato ativa as regiões temporais e frontais do cérebro, que são ligadas ao prazer.

Segundo a neurologista Sonia Brucki, vice-coordenadora do departamento de neurologia cognitiva e do envelhecimento da Associação Brasileira de Neurologia, o abraço faz com que o cérebro libere dopamina e serotonina, hormônios do prazer. "Você estabelece uma empatia com a pessoa, percebe o sentimento dele. Isso dá uma sensação prazerosa", explica.

O abraço também é uma ótima alternativa para sanar o grande mal moderno: o estresse. Estudo realizado pela Universidade da Carolina do Norte, nos Estados Unidos, indica que abraçar diminui os níveis de cortisol e a norepinefrina, hormônios relacionados ao estresse, além de diminuir a pressão sanguínea, o que previne doenças cardíacas. O aumento da taxa de uma substância chamada oxitocina também é notável. Quanto mais oxitocina o cérebro libera, mais a pessoa quer ser tocada e menos estressada ela fica: ou seja, quanto mais abraçada ela é, mais ela deseja ser abraçada.

Mãe e filha se abraçando - Getty ImagesPortanto, embora não combata diretamente as causas do estresse - sejam elas vindas de problemas familiares, do trabalho, entre outras -, o abraço acolhe a pessoa de tal forma que pode melhorar, e muito, a disposição e a maneira de encarar os problemas.

Outro mal da mente a ser tratado com ajuda do abraço é a depressão que, hoje, é a maior causa da diminuição da expectativa de vida do brasileiro, segundo recente estudo publicado pelo periódico Lancet. De acordo com a psicóloga Glauce Assunção, do Hospital São Camilo, o depressivo tende a não ver saídas e, com o abraço, ele pode se sentir acolhido, por causa da boa sensação proporcionada pelo toque. "Mesmo não sendo a cura, esse apoio e amparo são necessários para que o depressivo se sinta seguro. É um reforço ao tratamento", afirma.

Abrace sua família

Glauce afirma, no entanto, que as pessoas se abraçam pouco hoje em dia. O distanciamento não está presente apenas em meios externos, como o escolar ou corporativo, mas também dentro dos lares. Segundo a psicóloga, a raridade do abraço no âmbito familiar causa até estranhamento na criança que, sem o hábito de abraçar, acaba recebendo esse conforto de outra pessoa. O ideal é que as pessoas consigam, em casa, pelo menos um abraço todos os dias. Isso reduz significativamente os atritos na família, como uma bandeira branca.

Ela também lembra que o abraço faz com que a criança se sinta protegida e acolhida, sensação mais do que necessária na infância. "O abraço ficou cada vez mais distante. Hoje em dia, as crianças sentem falta disso. O pequeno chega em casa, já vai ao computador, enquanto a mãe vai à cozinha fazer a janta. A criança fica desprotegida", diz Glauce. Abraçar o pequeno o fará uma pessoa mais segura - imagem que ele transmitirá fora de casa.

O gesto também é imprescindível entre o casal. Quando o assunto é envolvimento sentimental, a psicóloga afirma que abraçar é um ato mais forte que beijar. "Ele reforça os relacionamentos, reduz as diferenças. O abraço acalma e é mais significativo que um beijo na boca ou no rosto."

Melhore o dia de alguém

Para melhorar o dia de uma pessoa, não é necessário muito esforço, apenas um abraço. Faça o teste: experimente abraçar alguém que você tenha algum carinho e perceba como o sorriso dessa pessoa muda. Ela se sentirá importante, protegida e com mais disposição. "Quem abraça é capaz de sentir o outro, combate suas tristezas, incertezas. Você sustenta as lágrimas da pessoa, lhe dá sensação de conforto", reforça Glauce. No entanto, nem pense em sair abraçando qualquer um. Abraçar por abraçar, sem intimidade real, pode causar efeitos contrários. "Se for forçado, você não se sentirá bem porque, quando você abraça, você recebe de volta, esse toque é mútuo. Não adianta dar algo falso", argumenta a psicóloga.

Por Ana Paula de Araújo

sexta-feira, 27 de maio de 2011

Você Pergunta, Nós Respondemos

Voltando com o nosso quadro, Você Pergunta, Nós Respondemos, atendemos a uma leitora que nos escreveu de Caruaru com Pseudônimo de "Gabriela Almeida", na busca de ajuda para resolver seus problemas amorosos, e nós com toda seriedade que sempre tratamos os casos aqui em nosso Blog, vamos sempre buscar a melhor maneira de responder a todos de uma forma madura e conciente.

Pergunta: Casos extraconjugais
Estou me relacionando com um homem casado, um professor que trabalha junto comigo. Ele mora inclusive no mesmo prédio que moro, e há seis meses temos nos encontrado quando possível. Desde o começo, ele me disse que amava a mulher, mas que fidelidade era bobagem. Me disse também que se sentiu atraído por mim desde o primeiro dia que me viu. Não acredito que ele realmente a ame, mas sim que esteja acomodado, porque ele uma vez me disse essa frase: "preciso continuar casado". E me deixou claro que não se apegava aos seus casos fora do casamento. Me passou a impressão de que ele quer continuar acomodado na situação em que está. Ele já me disse que me acha especial, e por isso mantém nossos encontros, porque está sendo muito bom. Gostaria de saber o que se passa na cabeça de um homem assim, que tem um filho, e não quer se separar, mesmo qualquer um vendo que ele gosta de manter uma vida de solteiro?

Resposta:
Quando um homem diz que não se apega aos seus "casos" fora do casamento, é preciso que você entenda que ele, seguramente, está dizendo a verdade. É provável que ele ame a família e, em momento algum, pensa em desfazê-la. Entretanto, talvez você esteja certa num ponto: é possível que esse homem esteja apenas acomodado. Se assim for, pode acontecer de, em outro momento de sua vida, se vier a se apaixonar, separar-se e ir viver com outra pessoa. Digo que isso pode acontecer e não que irá acontecer, é claro. Não sei se é você que usa a palavra "caso" para informar o tipo de relacionamento que vocês têm, ou se é ele que usa. Ter um caso é muito diferente de ter um romance. Um caso é apenas um caso. Não há nenhum compromisso e o homem faz o possível para ver o caso como algo facilmente substituível, ao qual ele não se apega.


Quando um homem diz a uma mulher que "precisa continuar casado", ele continua casado. Ele precisa. Se ele diz que você é especial para ele, é apenas isso que ele está dizendo. Não imagine nada por detrás dessas palavras. Ele deve ter os motivos dele para considerá-la especial. Se a mulher desse homem não dá importância ao comportamento dele, se é que está a par de tudo o que ele faz, é porque tem a cabeça fria e quer também manter o casamento com ele. Não quero dizer com isso que ela não o ame. Se ele não sai de casa é porque sente-se bem lá, disso você pode estar certa. Talvez fiquem juntos para sempre, pense nisso.

Abraço, Mariana (Psicóloga)
Perguntas pelo e-mail: blogdomelk@hotmail.com

Mão boba! Justin Bieber e Selena Gomez são flagrados em cenas quentes

FAMOSIDADES


Justin Bieber foi flagrado no maior love com a namorada, Selena Gomez, em Maui, no Havaí. Os pombinhos protagonizaram cenas de romance tórrido e não escaparam dos cliques dos fotógrafos

Reprodução/Celebuzz
Reprodução/Celebuzz
E olha a mão boba!! O astro teen abraçou a menina de uma maneira um tanto quanto ousada para alguém da sua idade. Pelo visto, o romance do casal vai de vento em popa e eles não são mais tããão jovens assim...

Dicas para lidar melhor com filhos adolescentes

Estamos vivendo uma época em que há uma transitoriedade em vários aspectos da nossa sociedade, o que proporciona um clima de impermanência e incerteza, que afeta a nossa vida em todos os sentidos, especialmente no convívio familiar. Educar adolescentes é uma tarefa desafiadora, questionadora, emocionante e de grande aprendizado tanto para os pais como para os filhos.

Os adolescentes querem emoção, vibração, privacidade, independência, ou seja, os privilégios do adulto, sem que deem provas de já terem competência e maturidade para merecê-las. Mas, no fundo do coração, os jovens querem amor, respeito e aceitação por parte dos familiares.

A maioria dos pais acredita que educar um adolescente é um processo cansativo, assustador. Quantas vezes não escutamos comentários do tipo "Por que os adolescentes não vêm com um manual de operação?" ou "Desisto! Nada funciona com ele!"

Ser pai e mãe é apresentar o jovem a si mesmo e ao mundo, com amor atenção e respeito. Quem vai querer conselhos de alguém que não entende seus conflitos? Dizer que o jovem está exagerando, fazendo tempestade em copo d?água pode ser visto por ele como um uso de superioridade e condescendência para esconder que, na verdade, você não sabe do que ele está falando e não entende o que ele está sentindo.

Em Programação Neurolinguística utilizamos muito o rapport, que significa uma mudança de atitude diante do outro, do mundo e de si mesmo. Trata-se de um processo de transformação e mudança através da comunicação e da utilização da linguagem que amplia a capacidade de enxergar e compreender as pessoas pela sua forma de pensar, sem críticas ou julgamentos.

Todos já fomos adolescentes, e temos experiências que nos ajudam a compreender esse momento pelo qual nossos filhos estão passando. Ampliar nossa capacidade de percepção e compreensão, somado a boas doses de respeito e tolerância, já é um grande passo para melhorar o relacionamento e permitir uma comunicação mais eficaz e, como consequência, fortalecer e trazer mais qualidade ao relacionamento pai e filho.

E um bom relacionamento entre pais e filhos consiste sobretudo na possibilidade dos pais crescerem junto com cada filho, respeitando e acompanhando a passagem dessa fase tão complexa e difícil que vai da dependência quase total do bebê para a crescente autonomia e independência do filho já quase adulto.

Autora: Walkyria Coelho é psicóloga e instrutora da SBPNL ? Sociedade Brasileira de Programação Neurolinguística

Presídio da China força prisioneiros a jogar online por lucros

Em campos de trabalhos forçados, presos são forçados a gerar créditos que são transformados em dinheiro

World of Warcraft é um dos jogos usados nos presídios
World of Warcraft é um dos jogos usados nos presídios
 Prisioneiros do de um “campo correcional” chamado Jixi, na China, tem uma dura rotina de trabalhos pesados durante o dia. À noite, porém, alguns desses presos estão sendo forçados a um tipo diferente de trabalho. Em turnos de até 12 horas, eles são obrigados a participar de partidas de jogos online. O objetivo dessas partidas? Ganhar créditos que os carcereiros venderiam no mundo real, por dinheiro real.

O jornal britânico The Guardian apurou que esses prisioneiros (cerca de 300) acumulam os créditos em jogos como World of Warcraft. Os créditos rendem aos carcereiros montantes que podem chegar aos US$ 924 (de verdade) por dia de trabalho.

Liu Dali é um dos prisioneiros ouvidos pelo jornal. Ele diz que “os guardas ganham mais dinheiro com o jogo forçado do que eles ganham com os trabalhos manuais feitos pelos prisioneiros”.

A rotina de jogos era dura, segundo Liu: “Jogávamos até não enxergar mais nada”. Ele também conta que caso não conseguisse cumprir com sua cota diária de crédito era submetido a punições físicas: “Eles me faziam ficar parado com as mãos pra cima e depois que eu voltava pra cela eles me batiam com canos de plástico”.

A exploração pela qual os prisioneiros de Jixi vêm passando é, segundo o jornal, reflexo da falta de regulação nas trocas de créditos virtuais por dinheiro real no país, fonte de renda que vem explodindo por lá.

Fonte: The Guardian

Obesidade é mais comum entre pessoas do mesmo convívio

Estudos indicam que obesidade pode ser socialmente contagiosa

A incidência de obesidade é maior em pessoas do mesmo convívio social, afirma estudo feito por antropólogos da Universidade do Estado do Arizona (EUA). De acordo com os estudiosos, a obesidade se espalha entre amigos e parentes.

Para chegar a essa conclusão, eles entrevistaram 101 mulheres e 812 de seus amigos mais próximos e parentes. Após as entrevistas, compararam o índice de massa corporal dessas participantes ao de seus conhecidos. Dessa forma, os pesquisadores confirmaram que o risco de obesidade aumenta se a rede de contatos da pessoa tem mais obesos.

Segundo os autores do estudo, todas as teorias para explicar por que esse fenômeno acontece têm a ver com a ideia compartilhada sobre qual é o peso adequado das pessoas. Se seus amigos acham que determinado peso é aceitável, você muda seus hábitos para alcançar essa meta, ainda que você não concorde com eles, pois acaba se sentindo pressionado. Ou você pode formar uma noção de peso adequado observando os corpos de seus amigos e parentes, o que acaba mudando seus hábitos de alimentação e exercícios.

O fator de influência mais forte foi a observação, segundo os pesquisadores. Mesmo assim, sua ação é limitada. Outros fatores como comer e se exercitar em grupo podem ser mais importantes do que os mecanismos analisados.

8 questões que desvendam a obesidade
Apesar de se tratar de uma condição clínica individual, a obesidade é vista, cada vez mais, como um sério e crescente problema de saúde pública. O excesso de peso predispõe o organismo a uma série de problemas, como doença cardiovascular, apnéia do sono, hipertensão arterial e alterações na circulação.

Confira 8 questões fundamentais sobre o tema:

1) Como definir obesidade?
A obesidade pode ser definida como um índice de massa corporal (IMC) acima de 25. Quando esse índice está acima de 40, ela é definida como mórbida. Este número é obtido dividindo-se o peso em quilogramas pela altura em metros ao quadrado. Sem dúvida, a obesidade pode ser considerada uma doença e, nos dias atuais, uma epidemia que só vai aumentar. O tratamento preventivo é a melhor solução. A cirurgia bariátrica tem se apresentado como a melhor solução para os casos de obesidade mórbida.

2) Quais as causas da obesidade?
Dentre as causas, destacam-se os fatores genéticos, ambientais (hábitos pessoais e familiares), hábitos populacionais, religião, fatores sócio-econômicos, compulsão ou depressão, entre outros. No entanto, não existem dados suficientes que possibilitem mensurar a influência de cada aspecto, já que a questão é multifatorial.

3) Como identificar quando a obesidade é causada por distúrbios psicológicos?
Geralmente, a obesidade de instalação rápida e sem causa aparente pode estar relacionada a distúrbios psicológicos ou hormonais. São os casos nos quais a pessoa engorda muito em um curto espaço de tempo.

4) Podemos dizer que existe o melhor tratamento da obesidade?
A correta avaliação por um médico competente é a melhor opção, que poderá indicar o tratamento adequado para o perfil do paciente, de acordo com os fatores relacionados, identificados por exames e consulta. Não podemos falar no melhor tratamento, mas sempre pensar em prescrever um tendo em vista as condições da pessoa. Cada caso é um caso, sempre.

5) Quais os problemas físicos mais comuns ocasionados pela obesidade?
Os problemas desencadeados pela obesidade são inúmeros e vão desde a limitação física para trabalhos básicos e locomoção até distúrbios mais graves, como o aumento de colesterol, triglicérides e pressão arterial, diabetes, gota (elevação de ácido úrico no sangue), artrose, coronariopatia (doença que atinge as artérias do coração), insuficiência renal, apneia noturna do sono, esteatose hepática (degeneração gordurosa do fígado), insuficiências glandulares, entre outros.

6) Qual doença de maior risco a obesidade pode causar em um indivíduo?
A Síndrome X ou Síndrome Metabólica, que se constitui por hipertensão arterial, dislipidemia, hiperglicemia e resistência à insulina.

7) Como deve ser o tratamento para controlar essa doença e a diabetes?
O tratamento deve ser feito a base de dieta hipocalórica - definida em parceria com um nutricionista -, atividade física, cirurgia de redução de peso - quando indicado - e prescrição de medicações, quando necessárias.

8) Como o cirurgião gástrico e o endocrinologista atuam juntos no tratamento do paciente obeso?
O tratamento de um indivíduo obeso deve ser multidisciplinar, incluindo cardiologistas, nutricionistas, psicólogos e outros profissionais, de acordo com o quadro clínico

Por Minha Vida

quinta-feira, 26 de maio de 2011

Uma Festa de Bom Gosto!

Academia das Cidades terá nome de campeão

A Academia das Cidades do bairro da Cohab de Santa Cruz do Capibaribe ganhará o nome de Bruno Rafael de Araújo, piloto de Motocross santa-cruzense que teve uma trajetória vitoriosa, com uma extensa coleção de títulos conquistados em campeonatos por todo o Brasil.

Bruno Rafael iniciou sua carreira no Bicicross ainda pequeno, mostrando-se um excelente piloto, apresentando sempre os melhores resultados nas competições. Em 2002 ele ingressou no Motocross, onde orgulhou os conterrâneos da sua cidade e do estado. Durante uma curta e promissora carreira, conquistou diversos títulos, entre eles, destacam-se os campeonatos de Sergipe, Alagoas e o Nacional, este último realizado em Pernambuco.

Além de piloto, Bruno também era um cidadão exemplar, ensinava a jovens da sua comunidade o esporte que tanto amava, para afastá-los das drogas.

Em reconhecimento ao trabalho do ilustre e saudoso santa-cruzense, o deputado estadual Edson Vieira (PSDB) apresentou na Assembleia Legislativa de Pernambuco um Projeto de Lei dando o nome de Bruno Rafael de Araújo à Academia da Cohab. “Nada mais justo do que dar o nome de Bruno à Academia do bairro onde ele morava, é também uma forma de deixar seu nome registrado para futuras gerações conhecerem quem ele foi,” declarou o deputado.

Bruno Rafael de Araújo era filho de Benildo Araújo Dantas e Luzinete Maria Araújo, faleceu no dia 8 de Janeiro de 2006, aos 18 anos, vítima de acidente em um treino de Motocross.

Atenciosamente,
Assessoria de Imprensa do Deputado Estadual Edson Vieira
assessoriaimprensaedsonvieira@gmail.com
(81) 3731-1423
Cláudio Higino | Magali Oliveira

Até que ponto as sacolas plásticas ameaçam o meio ambiente?

Polêmica levanta dúvidas sobre ação sustentável
Polêmica levanta dúvidas sobre ação sustentável
O prefeito da cidade de São Paulo, Gilberto Kassab, sancionou esta semana a lei que proíbe o uso de sacolas de plástico nos comércios da cidade, sendo assim a segunda adesão à medida no Brasil. A lei, que já tramitava na Câmara Municipal desde 2007, foi aprovada e vigorará a partir de janeiro de 2012. A penalidade ao comércio que desrespeitá-la vai de R$ 50 a R$ 50 milhões de reais ou até sua licença suspensa.

Pesquisa inglesa gera polêmica

A notícia dividiu opiniões não só da população, mas de órgãos relacionados à sustentabilidade. Uma recente pesquisa inglesa ajudou a acender a discussão: a Agência Ambiental da Inglaterra conclui que as sacolas, feitas de material ecológico, são mais resistentes do que as de plástico, e consomem mais matéria-prima e energia ao serem fabricadas, o que se resume à uma contribuição ao aquecimento global. Para causarem menos danos ao meio ambiente, foi constatado que as embalagens de papel devem ser utilizadas, no mínimo 3 vezes, enquanto as de polipropileno 11 e as de algodão, 131 vezes. Os pesquisadores chegaram a esse resultado após acompanhar todas as etapas de vida útil das tais sacolas. Porém, instituições de estudos ambientais brasileiros alegam que esse tipo de impacto seria diferente no Brasil porque o processo de fabricação é muito mais limpo, já que a energia se baseia em hidrelétricas, e não em combustíveis fósseis, como na Europa.

Prós e Contras do uso da sacola de plástico

De acordo com o Instituto Akatu, as sacolas de plástico são bem mais prejudiciais ao meio ambiente não só pelo material, um derivado de petróleo que é um emissor de gases e causam efeito estufa, mas também pelo uso incorreto da população, que acaba por joga-los pelas ruas, ajudando a entupir bueiros e gerando problemas como inundações e enchentes. Já o Instituto Sócio-Ambiental de Plásticos – Plastivida - defende o uso responsável do produto. O representante da instituição Miguel Bahiense alega: “O plástico não é um problema em si. Depende de como se usa. Ele é um material totalmente reciclável”. O projeto também aponta uma crise do setor de fabricantes e até um possível faturamento indevido dos comércios em cima da venda de sacolas, prejudicando os consumidores.

Outra preocupação se dá principalmente pela adaptação da população – em especial, as de baixa renda - sem as sacolas, muito utilizadas para embalar o lixo doméstico. Colocar em tonéis, por exemplo, pode gerar uma série de problemas sanitários, como aparecimento de animais peçonhentos causando um impacto ambiental negativo também.

Discutir para encontrar soluções

A partir de todos esses pontos levantados, vemos a importância em discutir o assunto a fim de diminuir os impactos sócio-econômicos e ambientais, além de gerar uma conscientização da população em torno das questões ambientais, ainda muito iniciais em nosso país. As ações de sustentabilidade se mostram importantes ao nosso planeta mais do que nunca, e cabe à sociedade incorporar esse tipo de ação não apenas como uma simples proibição, mas sim como algo que as pessoas tenham plena consciência da importância do que tal atitude gera, como contribuição para um mundo melhor.

Por Redação UrbanPost

Profissionais relatam rotina de ameaças e agressões

“Ele pegou a ordem judicial da minha mão, rasgou, pegou o revólver, pôs na minha cabeça e disse ‘eu vou contar até dez, se você ainda estiver [aqui], eu vou descarregar o revólver todinho na sua cabeça’”, relata a oficial de Justiça Monica Reis Valverde. Há 30 anos, ela tem uma rotina de ameaças e agressões, que, em menor ou maior grau, também é a de outros profissionais que lidam com o público em situações delicadas, como atendentes de call center e guardas de trânsito.

Para a oficial Monica, de São Bernardo do Campo (SP), poucos entendem sua função, para a qual, segundo ela, não há treinamento. “A profissão é conhecida para o público em geral como entregador de cartas, um carteiro. Na realidade, [o oficial] é uma autoridade para cumprir ordens do juiz, como apreender uma criança, apreender um veículo, fazer um despejo, decretar uma falência, etc”. No dia em foi ameaçada, ela saiu do lugar onde estava o homem armado, mas avisou a polícia e ele foi preso logo em flagrante depois. “Ser oficial é pra quem realmente não tenha receio, não tenha medo e esteja disposto a enfrentar, porque a barra é pesada”, diz.

Aquele não foi o único momento de violência: Monica, de 66 anos, conta que já foi jogada de uma escada e teve a mão furada por uma caneta. Ela relata outras situações vividas por colegas: “Oficial Rosa passou horas trancada dentro do porta-malas do carro, dentro de uma favela. Oficial Wilton, atiraram nele e por um triz não arrebentaram o pé dele. Oficial Luiz Claudio, foi arrastado num carro, [...] o oficial estava próximo da porta, [...] e no fechar a porta, prendeu a roupa do oficial e ele foi arrastado. Quer mais? Nós vamos ficar aqui anos conversando.”

Do outro lado da linha
Adriane de Amorim Pimentel, de São Paulo, também lida diariamente com ofensas e xingamentos, só que pelo telefone. A atendente de telemarketing começou no setor de cancelamento de seguros "Ele [o cliente] já entrava em linha atritado, nervoso", relata. "O cliente falava ‘Adriane, cancela’ e falava palavrão. O que eu fazia? Eu respirava fundo, pensava que aquilo não era comigo e aguardava o cliente falar.”

A empresa onde ela trabalha há seis anos faz serviços como vendas e atendimento ao cliente para diversas companhias. Os funcionários passam por um treinamento de um mês. “As três dicas básicas são: maturidade, paciência e honestidade”, resume a a supervisora Andrea Borba. Segundo ela, as mulheres se dão melhor na profissão do que os homens.

Adriane diz que 'vence' os clientes nervosos com paciência. “Uma senhora entrou em linha muito nervosa, dizendo ‘Você é a última tentativa, se não conseguir entender, vou acionar a Justiça, eu sou advogada’. Ela falou que a gente era tudo um bando de ladrão e não me deixava explicar", lembra. Na quarta tentativa, a cliente concordou em ouvir as explicações da atendente sobre o caso. "No final, ela agradeceu e disse que eu fui a única a ter paciência com ela. Mas eu vou confessar que depois que acabou aquela ligação eu fui beber uma água porque que tava...”, conta Adriane.

Palavrões e brincadeiras
O árbitro de futebol Guilherme Ceretta, também de São Paulo, trabalha há quase 11 anos na área. Ele diz que já se acostumou com os palavrões durante as partidas, mas reclama quando as críticas vão para o lado pessoal. "O arbitro errou, acertou, marcou pênaltis inexistentes ou duvidosos, isso é uma coisa. Agora, ‘o Ceretta é um ladrão, um safado’, existe uma conotação pessoal que não tem nada a ver.”

Quem também recebe xingamentos é Marco Aurélio Silva de Souza, guarda municipal do Rio de Janeiro, que trabalha há 10 anos específicamente no trânsito, inclusive aplicando multas. “Eles xingam, falam que a gente não tem competência, mas a gente tem que fazer nosso serviço. Tem casos em que as pessoas partem pra cima, querem agredir, nós devemos agir de maneira razoável e fazer o registro. Se passar dos limites, levo pra delegacia.”

Souza, que passou por um curso de formação, reclama que a imagem do guarda de trânsito para as pessoas é a de um inimigo.“Nós não somos inimigos, somos amigos. É preciso conhecer o guarda, saber pra que ele serve, ele só executa as normas de trânsito, as pessoas precisam entender isso porque o carro é uma arma e pode tirar vidas.”

G1

Veja como cada deputado votou a emenda 164 ao novo Código Florestal

Motivo de discórdia entre deputados do PT, da base de sustentação do governo e da oposição, a emenda 164 ao texto-base do Código Florestal, que possibilita aos estados legislarem sobre as áreas de preservação, foi aprovada na Câmara dos Deputados por 273 votos a favor, 182 contra e 2 abstenções. O governo era contra a emenda por entender que a União deve definir o que pode ser cultivado nessas áreas. Veja abaixo como votou cada deputado.

Voto 'sim' significa que o deputado foi a favor da emenda e, portanto, votou contra a orientação do governo. Voto 'não' significa que o deputado seguiu a orientação do governo e votou contra a emenda.

Sim
Abelardo Lupion DEM-PR
Adrian PMDB-RJ
Aelton Freitas PR-MG
Afonso Hamm PP-RS
Alberto Filho PMDB-MA
Alceu Moreira PMDB-RS
Aldo Rebelo PCdoB-SP
Alexandre Leite DEM-SP
Alexandre Santos PMDB-RJ
Alfredo Kaefer PSDB-PR
Alice Portugal PCdoB-BA
Almeida Lima PMDB-SE
André Dias PSDB-PA
Andre Moura PSC-SE
André Zacharow PMDB-PR
Andreia Zito PSDB-RJ
Ângelo Agnolin PDT-TO
Aníbal Gomes PMDB-CE
Anthony Garotinho PR-RJ
Antônia Lúcia PSC-AC
Antônio Andrade PMDB-MG
Antonio Brito PTB-BA
Antonio Bulhões PRB-SP
Antonio Carlos Magalhães Neto DEM-BA
Antonio Carlos Mendes Thame PSDB-SP
Antonio Imbassahy PSDB-BA
Aracely de Paula PR-MG
Arnaldo Jardim PPS-SP
Arolde de Oliveira DEM-RJ
Arthur Oliveira Maia PMDB-BA
Assis Melo PCdoB-RS
Átila Lins PMDB-AM
Augusto Coutinho DEM-PE
Benjamin Maranhão PMDB-PB
Berinho Bantim PSDB-RR
Bernardo Santana de Vasconcellos PR-MG
Beto Mansur PP-SP
Bonifácio de Andrada PSDB-MG
Bruna Furlan PSDB-SP
Bruno Araújo PSDB-PE
Carlaile Pedrosa PSDB-MG
Carlos Alberto Leréia PSDB-GO
Carlos Bezerra PMDB-MT
Carlos Brandão PSDB-MA
Carlos Eduardo Cadoca PSC-PE
Carlos Magno PP-RO
Carlos Roberto PSDB-SP
Carlos Sampaio PSDB-SP
Carlos Souza PP-AM
Carmen Zanotto PPS-SC
Celia Rocha PTB-AL
Celso Maldaner PMDB-SC
César Halum PPS-TO
Chico Lopes PCdoB-CE
Cida Borghetti PP-PR
Claudio Cajado DEM-BA
Danilo Forte PMDB-CE
Danrlei De Deus Hinterholz PTB-RS
Darcísio Perondi PMDB-RS
Davi Alcolumbre DEM-AP
Delegado Protógenes PCdoB-SP
Delegado Waldir PSDB-GO
Diego Andrade PR-MG
Dilceu Sperafico PP-PR
Dimas Fabiano PP-MG
Dimas Ramalho PPS-SP
Domingos Sávio PSDB-MG
Dr. Carlos Alberto PMN-RJ
Dr. Francisco Araújo PSL-RR
Dr. Ubiali PSB-SP
Duarte Nogueira PSDB-SP
Dudimar Paxiúba PSDB-PA
Edinho Araújo PMDB-SP
Edinho Bez PMDB-SC
Edio Lopes PMDB-RR
Edmar Arruda PSC-PR
Edson Ezequiel PMDB-RJ
Eduardo Azeredo PSDB-MG
Eduardo Barbosa PSDB-MG
Eduardo Cunha PMDB-RJ
Eduardo Sciarra DEM-PR
Efraim Filho DEM-PB
Elcione Barbalho PMDB-PA
Eleuses Paiva DEM-SP
Enio Bacci PDT-RS
Erivelton Santana PSC-BA
Eros Biondini PTB-MG
Esperidião Amin PP-SC
Evandro Milhomen PCdoB-AP
Fábio Faria PMN-RN
Fábio Souto DEM-BA
Fabio Trad PMDB-MS
Fátima Pelaes PMDB-AP
Felipe Bornier PHS-RJ
Felipe Maia DEM-RN
Felix Mendonça Júnior PDT-BA
Fernando Jordão PMDB-RJ
Filipe Pereira PSC-RJ
Flaviano Melo PMDB-AC
Francisco Escórcio PMDB-MA
Francisco Floriano PR-RJ
Gastão Vieira PMDB-MA
Gean Loureiro PMDB-SC
Genecias Noronha PMDB-CE
George Hilton PRB-MG
Geraldo Resende PMDB-MS
Geraldo Thadeu PPS-MG
Giacobo PR-PR
Giovani Cherini PDT-RS
Giovanni Queiroz PDT-PA
Giroto PR-MS
Gladson Cameli PP-AC
Guilherme Campos DEM-SP
Heleno Silva PRB-SE
Hélio Santos PSDB-MA
Henrique Eduardo Alves PMDB-RN
Hermes Parcianello PMDB-PR
Heuler Cruvinel DEM-GO
Homero Pereira PR-MT
Hugo Motta PMDB-PB
Hugo Napoleão DEM-PI
Irajá Abreu DEM-TO
Íris de Araújo PMDB-GO
Jaime Martins PR-MG
Jair Bolsonaro PP-RJ
Jairo Ataide DEM-MG
Jandira Feghali PCdoB-RJ
Jaqueline Roriz PMN-DF
Jeronimo Goergen PP-RS
Jhonatan de Jesus PRB-RR
Jô Moraes PCdoB-MG
João Arruda PMDB-PR
João Campos PSDB-GO
João Lyra PTB-AL
João Magalhães PMDB-MG
João Maia PR-RN
Joaquim Beltrão PMDB-AL
Jorge Corte Real PTB-PE
Jorge Tadeu Mudalen DEM-SP
Jorginho Mello PSDB-SC
José Carlos Araújo PDT-BA
José Chaves PTB-PE
José Humberto PHS-MG
José Priante PMDB-PA
Josué Bengtson PTB-PA
Jovair Arantes PTB-GO
Júlio Campos DEM-MT
Júlio Cesar DEM-PI
Júnior Coimbra PMDB-TO
Junji Abe DEM-SP
Jutahy Junior PSDB-BA
Laercio Oliveira PR-SE
Laurez Moreira PSB-TO
Lauriete PSC-ES
Lázaro Botelho PP-TO
Leandro Vilela PMDB-GO
Lelo Coimbra PMDB-ES
Lira Maia DEM-PA
Luciana Santos PCdoB-PE
Luciano Moreira PMDB-MA
Lucio Vieira Lima PMDB-BA
Luis Carlos Heinze PP-RS
Luiz Carlos PSDB-AP
Luiz Carlos Setim DEM-PR
Luiz Fernando Machado PSDB-SP
Luiz Nishimori PSDB-PR
Luiz Noé PSB-RS
Manato PDT-ES
Mandetta DEM-MS
Manoel Junior PMDB-PB
Manoel Salviano PSDB-CE
Manuela D`ávila PCdoB-RS
Mara Gabrilli PSDB-SP
Marcelo Aguiar PSC-SP
Marcelo Castro PMDB-PI
Marcio Bittar PSDB-AC
Márcio Marinho PRB-BA
Marcos Montes DEM-MG
Marcus Pestana PSDB-MG
Marinha Raupp PMDB-RO
Marllos Sampaio PMDB-PI
Maurício Trindade PR-BA
Mauro Benevides PMDB-CE
Mauro Mariani PMDB-SC
Mauro Nazif PSB-RO
Mendes Ribeiro Filho PMDB-RS
Mendonça Prado DEM-SE
Missionário José Olimpio PP-SP
Moacir Micheletto PMDB-PR
Moreira Mendes PPS-RO
Natan Donadon PMDB-RO
Nelson Bornier PMDB-RJ
Nelson Marchezan Junior PSDB-RS
Nelson Marquezelli PTB-SP
Nelson Meurer PP-PR
Nelson Padovani PSC-PR
Neri Geller PP-MT
Newton Cardoso PMDB-MG
Nilda Gondim PMDB-PB
Nilton Capixaba PTB-RO
Onofre Santo Agostini DEM-SC
Osmar Júnior PCdoB-PI
Osmar Serraglio PMDB-PR
Osmar Terra PMDB-RS
Oziel Oliveira PDT-BA
Pastor Eurico PSB-PE
Pastor Marco Feliciano PSC-SP
Pauderney Avelino DEM-AM
Paulo Abi-Ackel PSDB-MG
Paulo Cesar Quartiero DEM-RR
Paulo Foletto PSB-ES
Paulo Magalhães DEM-BA
Paulo Maluf PP-SP
Paulo Piau PMDB-MG
Pedro Chaves PMDB-GO
Perpétua Almeida PCdoB-AC
Pinto Itamaraty PSDB-MA
Professor Setimo PMDB-MA
Professora Dorinha Seabra Rezende DEM-TO
Raimundão PMDB-CE
Raimundo Gomes de Matos PSDB-CE
Ratinho Junior PSC-PR
Raul Henry PMDB-PE
Reinaldo Azambuja PSDB-MS
Reinhold Stephanes PMDB-PR
Renan Filho PMDB-AL
Renato Molling PP-RS
Ricardo Quirino PRB-DF
Roberto Balestra PP-GO
Roberto Dorner PP-MT
Rodrigo Maia DEM-RJ
Rogério Marinho PSDB-RN
Rogério Peninha Mendonça PMDB-SC
Romero Rodrigues PSDB-PB
Ronaldo Benedet PMDB-SC
Ronaldo Caiado DEM-GO
Ronaldo Nogueira PTB-RS
Rubens Bueno PPS-PR
Rui Palmeira PSDB-AL
Ruy Carneiro PSDB-PB
Sabino Castelo Branco PTB-AM
Sandra Rosado PSB-RN
Sandro Alex PPS-PR
Saraiva Felipe PMDB-MG
Sérgio Brito PSC-BA
Sérgio Moraes PTB-RS
Silas Câmara PSC-AM
Solange Almeida PMDB-RJ
Stefano Aguiar PSC-MG
Stepan Nercessian PPS-RJ
Takayama PSC-PR
Taumaturgo Lima PT-AC
Teresa Surita PMDB-RR
Tiririca PR-SP
Toninho Pinheiro PP-MG
Valdir Colatto PMDB-SC
Valdivino de Oliveira PSDB-GO
Vanderlei Macris PSDB-SP
Vaz de Lima PSDB-SP
Vilalba PRB-PE
Vilson Covatti PP-RS
Vitor Paulo PRB-RJ
Vitor Penido DEM-MG
Walney Rocha PTB-RJ
Walter Ihoshi DEM-SP
Wandenkolk Gonçalves PSDB-PA
Washington Reis PMDB-RJ
Wellington Fagundes PR-MT
William Dib PSDB-SP
Wladimir Costa PMDB-PA
Zé Silva PDT-MG
Zoinho PR-RJ
Zonta PP-SC

Não
Abelardo Camarinha PSB-SP
Ademir Camilo PDT-MG
Aguinaldo Ribeiro PP-PB
Alessandro Molon PT-RJ
Alfredo Sirkis PV-RJ
Amauri Teixeira PT-BA
Ana Arraes PSB-PE
André Figueiredo PDT-CE
André Vargas PT-PR
Angelo Vanhoni PT-PR
Antonio Balhmann PSB-CE
Antônio Carlos Biffi PT-MS
Antônio Roberto PV-MG
Ariosto Holanda PSB-CE
Arlindo Chinaglia PT-SP
Arnaldo Faria de Sá PTB-SP
Arnaldo Jordy PPS-PA
Arnon Bezerra PTB-CE
Arthur Lira PP-AL
Assis Carvalho PT-PI
Assis do Couto PT-PR
Audifax PSB-ES
Augusto Carvalho PPS-DF
Aureo PRTB-RJ
Benedita da Silva PT-RJ
Beto Faro PT-PA
Bohn Gass PT-RS
Brizola Neto PDT-RJ
Camilo Cola PMDB-ES
Cândido Vaccarezza PT-SP
Carlinhos Almeida PT-SP
Carlos Zarattini PT-SP
Cesar Colnago PSDB-ES
Chico Alencar PSOL-RJ
Chico D`Angelo PT-RJ
Cláudio Puty PT-PA
Cristiano PTdoB-RJ
Damião Feliciano PDT-PB
Décio Lima PT-SC
Deley PSC-RJ
Devanir Ribeiro PT-SP
Domingos Dutra PT-MA
Dr. Adilson Soares PR-RJ
Dr. Aluizio PV-RJ
Dr. Grilo PSL-MG
Dr. Jorge Silva PDT-ES
Dr. Paulo César PR-RJ
Dr. Rosinha PT-PR
Edson Pimenta PCdoB-BA
Edson Santos PT-RJ
Edson Silva PSB-CE
Eduardo da Fonte PP-PE
Eliane Rolim PT-RJ
Emiliano José PT-BA
Erika Kokay PT-DF
Fábio Ramalho PV-MG
Fátima Bezerra PT-RN
Fernando Coelho Filho PSB-PE
Fernando Ferro PT-PE
Fernando Marroni PT-RS
Fernando Torres DEM-BA
Flávia Morais PDT-GO
Francisco Praciano PT-AM
Gabriel Chalita PSB-SP
Gabriel Guimarães PT-MG
Geraldo Simões PT-BA
Gilmar Machado PT-MG
Givaldo Carimbão PSB-AL
Glauber Braga PSB-RJ
Gonzaga Patriota PSB-PE
Gorete Pereira PR-CE
Guilherme Mussi PV-SP
Henrique Fontana PT-RS
Henrique Oliveira PR-AM
Inocêncio Oliveira PR-PE
Iracema Portella PP-PI
Ivan Valente PSOL-SP
Izalci PR-DF
Janete Rocha Pietá PT-SP
Jânio Natal PRP-BA
Jefferson Campos PSB-SP
Jesus Rodrigues PT-PI
Jilmar Tatto PT-SP
João Carlos Bacelar PR-BA
João Dado PDT-SP
João Paulo Cunha PT-SP
João Paulo Lima PT-PE
Jonas Donizette PSB-SP
Jorge Pinheiro PRB-GO
José Augusto Maia PTB-PE
José De Filippi PT-SP
José Guimarães PT-CE
José Mentor PT-SP
José Stédile PSB-RS
Joseph Bandeira PT-BA
Josias Gomes PT-BA
Júlio Delgado PSB-MG
Keiko Ota PSB-SP
Leonardo Monteiro PT-MG
Leopoldo Meyer PSB-PR
Liliam Sá PR-RJ
Lincoln Portela PR-MG
Lindomar Garçon PV-RO
Lourival Mendes PTdoB-MA
Luci Choinacki PT-SC
Luciano Castro PR-RR
Lúcio Vale PR-PA
Luis Tibé PTdoB-MG
Luiz Alberto PT-BA
Luiz Argôlo PP-BA
Luiz Couto PT-PB
Luiza Erundina PSB-SP
Marcelo Matos PDT-RJ
Márcio Macêdo PT-SE
Márcio Reinaldo Moreira PP-MG
Marcon PT-RS
Marcos Medrado PDT-BA
Marina Santanna PT-GO
Maurício Quintella Lessa PR-AL
Miguel Corrêa PT-MG
Miriquinho Batista PT-PA
Miro Teixeira PDT-RJ
Nazareno Fonteles PT-PI
Neilton Mulim PR-RJ
Nelson Pellegrino PT-BA
Newton Lima PT-SP
Odair Cunha PT-MG
Otavio Leite PSDB-RJ
Otoniel Lima PRB-SP
Padre João PT-MG
Padre Ton PT-RO
Paes Landim PTB-PI
Paulo Freire PR-SP
Paulo Pereira da Silva PDT-SP
Paulo Pimenta PT-RS
Paulo Rubem Santiago PDT-PE
Paulo Teixeira PT-SP
Paulo Wagner PV-RN
Pedro Eugênio PT-PE
Pedro Uczai PT-SC
Policarpo PT-DF
Professora Marcivania PT-AP
Rebecca Garcia PP-AM
Reguffe PDT-DF
Ribamar Alves PSB-MA
Ricardo Berzoini PT-SP
Ricardo Izar PV-SP
Ricardo Tripoli PSDB-SP
Roberto Britto PP-BA
Roberto de Lucena PV-SP
Roberto Santiago PV-SP
Rogério Carvalho PT-SE
Romário PSB-RJ
Ronaldo Fonseca PR-DF
Ronaldo Zulke PT-RS
Rosane Ferreira PV-PR
Rubens Otoni PT-GO
Rui Costa PT-BA
Ságuas Moraes PT-MT
Salvador Zimbaldi PDT-SP
Sandes Júnior PP-GO
Sarney Filho PV-MA
Sérgio Barradas Carneiro PT-BA
Sibá Machado PT-AC
Silvio Costa PTB-PE
Simão Sessim PP-RJ
Sueli Vidigal PDT-ES
Valadares Filho PSB-SE
Valmir Assunção PT-BA
Valtenir Pereira PSB-MT
Vander Loubet PT-MS
Vicente Arruda PR-CE
Vicentinho PT-SP
Vieira da Cunha PDT-RS
Vinicius Gurgel PRTB-AP
Waldenor Pereira PT-BA
Waldir Maranhão PP-MA
Walter Tosta PMN-MG
Weliton Prado PT-MG
Wolney Queiroz PDT-PE
Zé Geraldo PT-PA
Zeca Dirceu PT-PR

Outros
José Nunes DEM-BA Abstenção
Marco Maia PT-RS Art. 17 (presidente da Casa não vota)
Rodrigo de Castro PSDB-MG Abstenção
Sebastião Bala Rocha PDT-AP Obstrução

Sete mudanças no corpo masculino relacionadas à testosterona

Esse hormônio influencia a agressividade, o crescimento de pelos e o desempenho sexual
O efeito dos hormônios na personalidade das mulheres é bem conhecido, principalmente na fase da TPM. Mas, e os homens? Eles também são afetados pela produção hormonal? Sim, a testosterona, principal hormônio presente no organismo masculino, influencia o comportamento, o desempenho sexual e também algumas características físicas. "É um hormônio muito importante para o funcionamento do corpo. Mesmo que esteja mais presente nos homens, ele também pode afetar o organismo feminino", explica a endocrinologista e metabologista Vânia dos Santos, de UNESP.

Segundo a especialista, conhecer as funções desse hormônio e as consequências de uma alteração em seus níveis é um importante modo de prevenir possíveis problemas de saúde, que podem afetar tanto o físico como o psicológico do paciente. "De maneira geral, a testosterona é responsável pelos caracteres sexuais secundários no homem, como voz, pelos e massa muscular. Qualquer alteração nessas áreas pode ser um sinal de problema", conta o endocrinologista Pedro Saddi, da Unifesp. Confira abaixo as principais mudanças no corpo masculino - e algumas até no feminino! - relacionadas a esse hormônio.

Agressividade
De acordo com Pedro Saddi, a testosterona pode provocar uma maior agressividade masculina quando está em um nível suprafisiológico, ou seja, acima do normal. "Ela age diretamente no sistema nervoso. Quando há um excesso desse hormônio, o humor e o estado de espírito do homem mudam, mas é importante lembrar que essa agressividade não tem relação com violência. Portanto, não podemos culpar o hormônio por um ato violento", afirma Pedro Saddi.

Nas mulheres, essa relação é menos intensa devido à menor quantidade de testosterona no organismo. Para o sexo feminino, os hormônios que aumentam o comportamento agressivo são o estrógeno e a progesterona, que normalmente atingem picos durante o período de ovulação.

Calvície
Calvície- Foto Getty ImagesExiste o mito de que homens com mais testosterona têm maior queda de cabelos e se tornam calvos precocemente. Isso daria sentido à expressão popular "é dos carecas que elas gostam mais", já que o alto nível de testosterona também está ligado ao desempenho sexual masculino.

No entanto, o endocrinologista Pedro Saddi derruba essa informação. "O que se relaciona com queda de cabelos é a diidrotestosterona, que é uma transformação da testosterona. É esse hormônio que aumenta a queda de cabelos nos homens e sua produção depende de fatores locais do couro cabeludo, e não da quantidade de testosterona circulante no sangue", explica. As pessoas calvas têm enzimas no couro cabeludo com uma capacidade maior de transformar a testosterona do sangue em diidrotestosterona para agir no folículo capilar.

Já nas mulheres, o nível de testosterona pode causar uma mudança no couro cabeludo. "Ela não chega a causar calvície, mas provoca aquelas entradas típicas de homens perto dos 40 anos. Essa transformação é característica da maior produção de testosterona pelas mulheres", afirma Vânia dos Santos.

Pelos
O crescimento de pelos em algumas áreas está diretamente ligado à produção de testosterona, tanto nos homens quanto nas mulheres. É a partir do momento que esse hormônio começa a ser produzido, por volta dos 12 anos de idade, que os pelos no rosto, tronco, nádegas, virilha e monte púbico começam a crescer nos homens. No entanto, alguns locais do corpo, como braços e pernas, não são afetados pela maior produção de testosterona. Por isso, os pelos que ali crescem são chamados de independentes.

O excesso de testosterona nas mulheres pode causar um aumento no crescimento de pelos nas áreas andrógenas, como rosto e no tórax, o que não é normal para o sexo feminino. "A maior produção de testosterona pelos óvulos e pelas glândulas adrenais causa nas mulheres o hirsutismo, que é o crescimento de pelos em locais anormais", explica a especialista.

Essa alteração hormonal tem tratamento a partir de remédios, que controlam a produção de testosterona pelo ovário e pelas glândulas adrenais.

Músculos
Músculos- Foto Getty  ImagesÉ fácil perceber a influência da testosterona nos músculos dos homens. "Por volta dos 12 anos, quando os testículos começam a produzir a testosterona, os meninos ficam mais fortes que as meninas e passam a ter maior massa muscular", explica Pedro Saddi. De acordo com o especialista, essa diferença aumenta no período entre 20 e 30 anos, quando os homens têm um pico nos níveis de testosterona no sangue.

Na terceira idade, com a menor produção do hormônio, há uma perda de massa muscular nos homens e fica mais difícil se recuperar de lesões musculares. Por isso, muitos idosos são aconselhados por médicos a tomar suplementos de testosterona.

Sexo
A libido e o desempenho na hora do ato sexual também estão ligados à testosterona. "Indivíduos com baixa taxa desse hormônio têm menor libido e, consequentemente, pior desempenho sexual. Homens com essa característica também têm maiores chances de sofrer com infertilidade", afirma Pedro Saddi. De acordo com o especialista, as alterações nos níveis de testosterona afetam a vida sexual de ambos os sexos. Além disso, se houver excesso desse hormônio nos homens, pode ocorrer um atrofiamento dos testículos e, nas mulheres, o aumento do clitóris, dois problemas que diminuem as chances de ter uma vida sexual ativa.

Depressão
Em média, após 50 anos de idade, a produção de testosterona diminui nos homens, provocando uma série de alterações tanto no corpo quanto na personalidade. De acordo com a endocrinologista, os baixos níveis desses hormônios estão entre as causas do aumento dos casos de depressão masculina na terceira idade. "Como a testosterona também age no sistema nervoso, uma mudança em sua produção afeta o bem-estar e o humor dos homens", explica Vânia dos Santos.

Nas mulheres, a produção de testosterona segue o caminho oposto conforme a idade. Após chegar à menopausa, as mulheres começam a produzir mais esse hôrmonio, enquando a quantidade de estrógeno, que dá características femininas ao corpo, começa a diminuir. "Depois do climatério, as mulheres começam a ter níveis de testosterona mais altos no organismo. Isso aumenta a quantidade de pelos no corpo e também provoca um leve aumento de peso e irritabilidade", diz Vânia dos Santos.

Excesso do hormônio
Um estudo feito pela Universidade de Yale, no Reino Unido, mostrou que o excesso de testosterona pode provocar morte de células nervosas, o que leva a doenças como Alzheimer. De acordo com Pedro Saddi, essa pesquisa é importante para se ter mais informações sobre o efeito contínuo da testosterona no organismo, mas ainda não pode ser usado para tirar maiores conclusões. "Esse estudo foi feito em cultura de células, ou seja, não foi realizado em condições normais. Além disso, a quantidade de testosterona usada foi muito maior do que a quantia máxima já vista em um homem", explica o endocrinologista.

Vânia dos Santos explica que, como qualquer outro hormônio, uma quantidade excessiva de testosterona no corpo pode trazer malefícios às células. "É comum vermos homens tomarem esteróides ricos em testosterona para ter um crescimento nos músculos. Mas ingerir suplementos desse hormônio em excesso pode causar aumento de pressão e colesterol, aumento das mamas e atrofia dos testículos", completa.

Por Fernando Menezes

Dona de fortuna de US$ 500 milhões morre após 22 anos internada

Uma misteriosa e reclusa milionária morreu aos 104 anos, na terça-feira (24), em Nova York.

Dona de uma fortuna de US$ 500 milhões (R$ 850 milhões), Huguette Clark vivia havia 22 anos no hospital Beth Israel Medical Center, sem contato com família e amigos.

Ela era proprietária, entre outros bens, de um apartamento de 44 cômodos na Fifth Avenue, em Nova York, de uma mansão em Santa Barbara, na Califórnia, e de uma casa de US$ 24 milhões no Estado americano de Connecticut.

O pai dela, William Andrews Clark, chegou a ser o segundo homem mais rico dos EUA.

No passado, Huguette teria dito a amigos que a riqueza era uma "ameaça para a felicidade" e que gostava de ficar em casa brincando com as bonecas de sua enorme coleção.

A foto mais recente de Huguette Clark Gower, tirada em 1930; a herdeira morreu ontem
A foto mais recente de Huguette Clark Gower, tirada em 1930; a herdeira morreu na terça-feira (24)
Ela se casou uma vez, mas não teve filhos. A última foto dela data de 80 anos atrás.

Segundo seus advogados, a milionária era tão reclusa que pediu a eles para que não divulgassem seu endereço, evitando assim receber visitas, inclusive de parentes.

Ela ficou internada com um nome falso no hospital e conversava com os funcionários detrás de uma porta. Apenas um pequeno grupo de enfermeiras tinha acesso direto a Huguette.

No ano passado, os advogados, que também administram sua fortuna, passaram a ser investigados por supostos desvios de dinheiro.

Hipotireoidismo: oito dúvidas sobre a doença da tireoide

Ela não tem cura, mas tratamento garante qualidade de vida do paciente

De acordo com os resultados recentes do censo IBGE 2010, as doenças endócrinas, como diabetes, obesidade e disfunções na tireoide respondem pela segunda causa que mais mata mulheres no país (7,8%), atrás apenas das doenças cardiovasculares. A tireoide é uma glândula endócrina que existe para harmonizar o funcionamento do organismo. Localizada no pescoço, é responsável pela produção de dois hormônios o T3 (tri-iodotironina) e o T4 (tiroxina), que estimulam o metabolismo e interferem no desempenho de órgãos como coração e rins, chegando a alterar o ciclo menstrual.

Por toda essa importância, a glândula tireoide precisa estar em perfeita ordem. Quando isso não acontece, o próprio corpo dá o alerta. Os tipos mais comuns de disfunção da tireoide são:

1. hipertireoidismo (liberação de hormônios em excesso, que aceleram muito o metabolismo);

2. hipotireoidismo (a glândula libera o T3 e o T4 em menor quantidade do que o necessário). No segundo caso e mais comum, o hipotireoidismo, os sintomas mais frequentes são desânimo, cansaço, sonolência, pele seca, inchaço dos olhos, lentidão física e mental. A doença costuma atingir vários membros de uma mesma família. Porém, o diagnóstico nem sempre é fácil, pois os sintomas podem ser atribuídos a outras doenças que se manifestam de forma semelhante, como depressão e anemia. A seguir, a endocrinologista Laura Ward, da Unicamp, esclarece oito dúvidas mais comuns sobre o hipotireoidismo.

Cansaço - Foto: Getty Images1.Os sintomas podem ser identificados com clareza?
Os sintomas, infelizmente, são pouco específicos e se instalam lentamente, o que pode confundir as pessoas. Além disso, podem atingir vários órgãos, pois a tireoide é importante para regular o funcionamento de alguns sistemas do corpo, como cardiovascular, gástrico e nervoso. São: sentir frio, mesmo quando a temperatura não está baixa; desânimo; falta de interesse de todos os tipos, incluindo interesse para atividades corriqueiras ou prazerosas; lentidão de fala, de pensamento e de batimentos cardíacos; problemas no intestino (constipação, prisão de ventre), lentidão de reflexos; pele ressecada; cabelos e unhas quebradiços.

2.Por que o hipotireoidismo ocorre mais em mulheres e se manifesta predominantemente a partir de certa idade?
Não se sabe com exatidão por que o distúrbio afeta mais mulheres, mas acredita-se que um dos fatores seja a maior incidência, na fase da menopausa, da doença de Hashimoto ou tireoidite crônica, doença autoimune da tireoide em que o corpo produz anticorpos que atacam a tireoide, fazendo deste distúrbio a principal causa do hipotireoidismo. Durante o climatério, período em que as doenças autoimunes são mais frequentes, é possível que o metabolismo de hormônios, como estrógeno, esteja produzindo fatores desencadeantes para doenças autoimunes, entre as quais a doença de Hashimoto.

3.Como saber se estou no grupo de risco da doença?
São fatores de risco para o hipotireoidismo: a existência de outras doenças autoimunes (lúpus, artrite reumatoide, vitiligo, diabetes de tipo 1), a presença de bócio (aumento de volume da tireoide) e a existência de doença de tireoide na família.

Pescoço - Foto: Getty Images4.Quais exames costumam ser feitos para o diagnóstico?
Eles devem ser feitos periodicamente? O exame mais comum para identificar os níveis dos hormônios da tireoide chama-se dosagem de TSH sérico. Recomenda-se que todas as pessoas acima de 60 anos realizem uma dosagem de TSH anual e que mulheres, particularmente aquelas que apresentam fatores de risco, dosem o TSH a partir dos 30 anos. Além disso, gestantes também devem realizar o exame periodicamente.

5.O hipotireoidismo tem cura?
Não existe uma cura definitiva para a doença, mas o controle pode fazer com que o paciente leve uma vida normal. O tratamento mais comum é feito com reposição hormonal, geralmente com hormônio sintético da tireoide, em geral, na forma de comprimido, que deve ser tomado diariamente pelo resto da vida. Mas vale o alerta: se estiver com falta ou excesso de medicação, podem aparecer os sintomas opostos, de hipertireoidismo. Os mais comuns são: agitação física e mental, insônia, irritação e perda de peso.

6.Quais são as possíveis consequências mais graves, se não houver tratamento?
A falta do hormônio tireoidiano pode levar ao coma mixedematoso, que é quando o paciente tem queda da temperatura corporal e ocorre a lentidão de todas as funções do organismo. Isso acarreta uma fragilização do sistema imune, facilitando a instalação de outras doenças, como pneumonia e infecções. O hipotireoidismo também pode afetar de forma importante o coração e os ossos, por isso é importante seguir o tratamento prescrito pelo médico.

7.O hipotireoidismo provoca aumento de peso?
Existe uma relação complexa entre as doenças da tireoide, o peso corporal e o metabolismo. Os hormônios tireoidianos também regulam o metabolismo, e a taxa metabólica basal também pode diminuir na maioria dos pacientes com hipotireoidismo, devido à baixa nos hormônios. No entanto, esse ganho de peso é menor e menos dramático do que o ocorre nos pacientes com hipertireoidismo.

8.O que é essencial para controlar o hipotireoidismo?
Se o paciente estiver com a medicação ajustada adequadamente, sua rotina não será muito afetada. A recomendação é a mesma válida para pessoas sem a doença, que é seguir hábitos de vida saudáveis. É fundamental manter uma alimentação equilibrada, rica em vegetais e frutas. Também é essencial praticar exercícios físicos regulares para a manutenção do peso para afastar a obesidade e seus efeitos negativos, como hipertensão, diabetes, aumento do colesterol e problemas cardiorrespiratórios. Não há grandes restrições em relação às atividades físicas, mas antes de começar a se exercitar o paciente deve sempre consultar seu médico.

Por Ana Maria Madeira